Francês é Preso por Tentar Vender 'Cabelo de Faraó'

Essa notícia é de rir ou de chorar. Indignante. Quem me enviou foi meu irmão que sabe do meu interesse pelo Egito Antigo. Como o Dr. Zahi Hawass disse “caso esses elementos sejam autênticos, seria um escândalo que poderia abalar as relações entre Egito e França”. Se os tais 'elementos' tivessem sido roubados até o começo do séc. XX daria prá entender. Até então vivíamos a Era Indiana Jones ou dos Caçadores de Tesouros que de arqueólogos tinham pouco. Mas algo assim, ocorrer em plenos anos 70? Realmente, é um escândalo.
Fico até com um pouco de pena do carteiro. Acreditem. Vejam só. Ele tem um verdadeiro tesouro nas mãos e porque é pobre quebrou a cara. É óbvio, que se verdadeiros, os restos de Ramsés serão reinvidicados pelo Conselho Supremo Egípcio de Antiguidades e o governo Francês como não é bobo, vai devolver em nome da 'boa amizade'. Agora, reparem, isso só ocorreu porque o cara é pobre e por pura ingenuidade colocou tais relíquias para leilão num Ebay da vida. Acabou com nome sujo na praça. Foi preso e vai continuar pobre. Agora vocês vão sacar aonde quero chegar. Nada disso aconteceria se o cara fosse rico, pois aí ele teria acesso ao famoso mercado negro de antiguidades. Teria vendido suas relíquias por uma fortuna e tudo estaria bem. É foda. Não dá nem prá imaginar o que esses caras tem em suas coleções particulares.

Pegando um pouquinho pesado com o meu 'amigo' Dr. Zahi Hawass...
O Dr. Hawass tem feito um trabalho maravilhoso no Egito. Não nego. E o admiro muito por isso. Há anos ele tem tentado (e conseguido) que muitas nações devolvam peças egípcias a seu país de origem. Nada mais correto. Uma de suas grandes conquistas foi o retorno da múmia de Ramsés I. Zahi afirma que só está pedindo a devolução de peças que foram retiradas do Egito Ilegalmente. O assunto, obviamente gera uma controvérsia dos infernos. Os museus afirmam que essas peças pertencem a humanidade e não apenas ao Egito. É compreensível também. Acontece que Hawass quer devolvidas algumas peças polêmicas como o busto de Nefertiti que está na Alemanha, a Pedra Roseta que está na Inglaterra e o Obelisco de Luxor que está, adivinhem onde? Em Paris!
Sacaram? Eis a oportunidade que o Dr. Hawass tanto esperou.
Espertinho, não?
Agora ele vai pegar no pé dos franceses por toda a eternidade...

ps: Pessoal da BCC Brasil vamos ser mais atentos. Vejam como vocês escreveram o nome do Dr. Hawass - Zawi Rahass. Zawi Rahass?

Um homem foi preso na França nesta terça-feira depois de tentar vender na internet o que ele alegava serem chumaços de cabelos do faraó Ramsés 2º.

Jean-Michel Diebolt, um carteiro francês de 50 anos da cidade de Grenoble, disse que recebeu os cabelos de seu pai, que trabalhou em uma empresa estatal envolvida com a restauração da múmia na década de 1970.

Na internet, ele dizia ter “chumaços de cabelo da múmia de Ramses 2º” à venda por dois mil euros (cerca de R$ 5,7 mil) e que podia provar a autenticidade com fotos, certificados, resina usada no processo de mumificação e bandagens.

A polícia encontrou chumaços de cabelo em pequenos sacos plásticos na casa de Diebolt e especialistas disseram que é possível que as alegações do francês sejam verdadeiras.

“Infelizmente isso pode mesmo ser verdade. Se for esse o caso, se trata de um escândalo. Seria deplorável e inaceitável”, disse Christian Leblanc, um arqueólogo especialista em Ramsés 2º, em entrevista à agência de notícias France Presse.

Viagem

Ramsés 2º é um dos faraós egípcios mais famosos. Ele governou o Egito entre 1279 e 1213 a.C.

O seu corpo mumificado foi enviado à França em 1976 para que um tratamento com radiação eletromagnética impedisse que ele fosse destruído por fungos.

Para ser transportado à França, Ramsés teve um passaporte egípcio expedido e foi recebido em Paris com uma cerimônia digna de um rei, na única ocasião em que uma múmia tão importante deixou o Egito.

A estatal onde o pai do homem envolvido teria trabalhado, o Comissariado de Energia Atômica da França (CEA), confirmou que recebeu amostras de cabelo, resina e bandagem da múmia de Ramsés, enviadas pelo Museu do Homem, de Paris, para cerca de 40 laboratórios franceses. Segundo o CEA, no entanto, os fragmentos teriam caído da múmia durante seu transporte.

O chefe do Conselho Supremo Egípcio de Antiguidades, Zahi Hawass, disse à france Presse que “caso esses elementos sejam autênticos, seria um escândalo que poderia abalar as relações entre Egito e França”.

Fonte: BBC Brasil

Comentários

  1. Oi muito interessante essa matéria, eu tenho procurado mas não consigo encontrar notícias sobre o Egito atual. Será que vc poderia me ajudar?
    Parabéns pelo ótimo post.
    Obrigado
    Kíssila

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Oi muito interessante essa matéria, eu tenho procurado mas não consigo encontrar notícias sobre o Egito atual. Será que vc poderia me ajudar?
    Parabéns pelo ótimo post.
    Obrigado
    Kíssila

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas