Poluição das águas na China desperta ira popular



O rio Li, na região de Guangxi, é muito visitado por turistas
Pequim - Novos números que mostram a grave poluição de quase todos os lençóis freáticos e da maioria dos rios e lagos da China despertaram a ira popular e desencadearam uma campanha para denunciar às empresas poluentes.

Segundo um recente relatório do Ministério de Recursos Hídricos divulgado pela agência oficial "Xinhua", 64% das 118 cidades analisadas têm seus lençóis freáticos "muito poluídos", e 33% "levemente poluídos". Com isso, apenas 3% possuem água limpa.

Cerca de um terço dos recursos hídricos do gigante asiático vem do subsolo, uma fonte que está contaminada pelo contínuo vazamento de metais pesados, cujos compostos - ao contrário dos orgânicos - são muito mais difíceis de serem processados com os métodos tradicionais de tratamento de água.

"A poluição dos lençóis freáticos é algo que só recentemente chamou a atenção da população", afirmou hoje à Agência Efe o chefe da campanha contra substâncias tóxicas do Greenpeace na Ásia Oriental, Ma Tianjie, que advertiu que algumas dessas substâncias "são cancerígenas, se incorporam à cadeia alimentar e chegam à população".

A água dos lençóis é utilizada na irrigação de mais de 40% das terras cultivadas na China e representa cerca de 70% da água potável nas regiões secas do norte e noroeste do país.

A evidência da péssima qualidade da água provocou fortes protestos de ativistas ambientais, que acusam os governos locais de proteger as empresas poluentes.

Em entrevista à rede de televisão estatal, o diretor do Instituto de Assuntos Ambientais da China, Ma Jun, reconheceu que a maior dificuldade está na proteção das empresas poluentes pelas autoridades municipais, já que elas são as que mais contribuem em impostos e na criação de empregos.

"O problema é grave, mas pode ser superado", disse o diretor, que pediu à população que "participe amplamente para denunciar estas práticas".

O principal jornal de Pequim - "Beijing News" - se uniu à proposta de Ma Jun em um editorial pedindo a ajuda dos internautas e declarou "guerra contra as empresas sem escrúpulos".




Enviado via iPad

Comentários

Postagens mais visitadas