Olivetti Lettera 22


Minha velha companheira de guerra: A Olivetti Lettera 22. As imagens não são da minha, mas ela está nas mesmas condições. Essa baixinha era o máximo. Barulhenta, é verdade. Mas muito prática de carregar e macia. Diferente das Remington que eram grandes e pesadas. Eu não sei bem a idade dela. Era do meu pai. Mas calculo que seja do começo dos 60. O que sempre achei legal nessa baixinha é a mistura de metal e plástico. O corpo da máquina é de metal, mas a tampa é de plástico. Um plástico bem duro como eu nunca vi depois. Foi usada por meu pai, pela minha mãe, por mim e pelo meu irmão. Ainda tá aí, firme e forte se a nova geração quiser brincar com ela...rs
Ainda lembro da minha pobre mãe passando horas e horas madrugada a dentro datilografando seus trabalhos para a faculdade. Lá da cama eu ficava ouvindo aqueles tac-tac-tac e 'plims' o tempo todo. O 'plim' era quando você mudava a linha. Depois de aprender a datilografar com dez dedos no colégio passei a ajudar minha mãe com os trabalhos dela. Acabei aprendendo muito sobre Psicologia. Se bem que eu datilografava como 'papagaio' sem praticamente ler o texto que estava datilografando. Depois ela foi minha fiel companheira nos tempos de faculdade. Todos os meus trabalhos foram feitos nessa baixinha aí. Com caracteres meio tortos e tudo. E não faz tanto tempo assim. Ingressei na UFRGS em 1995. E pasmem, vi muitos colegas entregarem trabalhos feitos a mão! Graças a pequena Lettera jamais precisei entregar um único trabalho nessas condições. Só pelo meio do curso é que começaram a aparecer os primeiros trabalhos digitados prá dar inveja na gente. No final, já me sentia na idade da pedra.

E a gurizada hoje reclama de fazer trabalhos no computador!...hehe
Bons tempos em que éramos tão pouco dependentes da tecnologia e da santa luz elétrica.

Curiosidade: Até a pouco tempo eu ficava me perguntando porque o pessoal da internet costuma trocar 'C' por 'K'. Substituir 'ch' por 'x', abreviar palavras como 'você' para 'vc' até dá prá compreender. Há um ganho real em velocidade. Agora, substituir uma letra por outra?
Mais uma vez meu noivo decifrou o mistério para mim. Esqueci que o pessoal mais novo não teve aulas de datilografia e a maioria digita com dois dedos, aí fica mais fácil usar o 'K' que o 'C'.
Vivendo e aprendendo.
Mas eu ainda prefiro a moda antiga. Com 10 'dedais' mesmo. Além de mais elegante, você digita sem olhar para o teclado, não força tanto os dedos indicadores, o que deixa a postura das mãos e braços bem mais relaxadas.

Para os saudosistas ou curiosos de plantão nesse link tem uma pequena amostra do som que a Olivetti fazia. Nota: Não tem o plim! Como não tem o plim?

EU QUERO O PLIM!

Ah... esqueci de contar uma curiosidade. Sempre esqueço que já existe uma geração que talvez nunca tenha visto uma máquina jurássica como essa...rs
Normalmente as fitas eram pretas na parte superior e vermelhas na parte inferior. Era uma opção para textos em vermelho. Mas como era pouco usado acabava se tornando um desperdício. Então, o mais prático era comprar uma fita totalmente preta como na foto aí encima. Quando a parte superior desgastava (chegava a furar e rasgar se você fosse muito pão-duro), você tinha que abrir a máquina, retirar e inverter os 'rolinhos' de fita o que em 100% dos casos deixavam seus dedos absolutamente pretos de tinta...rs

Comentários

  1. Olá amigo. Também gosto de máquinas de escrever, principalmente das OLIVETTI portáteis. Devo fazer uma pequena correção: esta máquina da foto não é uma lettera 22 e, sim, uma lettera 32. A 22 era mais baixinha um pouco, mais macia, mais leve e foi fabricada no Brasil durante algum tempo. Esta Lettera 32 não chegou a ser fabricada por aqui, somente no México. Felicidades.

    ResponderExcluir
  2. Ola a todos
    esta é sim uma lettera 22, a lettera 32 era de plastico e tinha uma bolsa tira colo em corvin, ja esta 22 tem seu estojo duro e alça manual p transporte, tenho uma dessas desde 1967, se alguem tiver um museu me avise
    abs........

    ResponderExcluir
  3. Oi gente, alguém disse que tem uma lettera 22 desde 1967. Será que ele sabe qual é o n´´umero de série da máquina? Na minha o núymero de serie é 1716759. Alguém sabe me informar se posso identificar o ano de fabricação pelo numero de serie. Há quem diga que o o quarto e o quinto dígito no numero de serie indicam o ano. Se isso for verdade então a minha foi fabricada em 1967. Alguém, saberia, por gentileza me dizer se é assim mesmo? Desde já agradeço a todos os que gostam de máquina de escrever. Um abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas