Morre Storm Thorgerson, ilustrador da capa de 'Dark side of the moon'


Morre Storm Thorgerson, responsável por capas de disco como a de "Dark side of the moon", do Pink Floyd. O designer tinha 69 anos e sofria de câncer. Em 2003, ele teve um acidente vascular cerebral. A notícia foi confirmada pela família: Thorgerson deixa mãe, mulher, filho e duas enteadas.

Amigo de infância dos fundadores da banda inglesa, Thorgerson marcou época pelos trabalhos que fez para seus discos. Vocalista do Pink Floyd, David Gilmour divulgou um comunicado em que afirma que as obras criadas por Thorgerson para a banda eram "parte inseparável do trabalho" do grupo. O ilustrador ainda trabalhou com o Led Zeppelin, Peter Gabriel e Muse.

Thorgerson começou a carreira no fim dos anos 1960, quando fazia parte do grupo de design inglês chamado Hipgnosis. Seu estilo fez dele um dos artistas mais reconhecidos da indústria. É dele a criação de ícones como a vaca na capa de "Atom heart mother", do executivo em chamas no encarte de "Wish you were here" e do porco gigante voando sobre a estação de energia de Battersea, na capa do álbum "Animals".

Sobre a capa de "Dark side of the moon", ele disse, em entrevista à "BBC", que foi uma "boa, mas simples ideia. A refração da luz através de um prisma é uma característica comum na natureza, como um arco-íris. Eu gostaria de reclamar a autoria disso, mas infelizmente isso não é meu!", brincou. As informações são da "BBC".





Enviado via iPad

1 komentar:

Ossadas de guerreiros de 2,2 mil anos são desenterradas na França


Arqueóloga nos arredores de ossadas de 2,2 mil anos desenterradas na região francesa de Troyes (Foto: François Nascimbeni/AFP)
Ossadas de 2,2 mil anos desenterradas na região francesa de Troyes (Foto: François Nascimbeni/AFP)

Mais de 2,2 mil anos depois de serem enterrados em uma necrópole da região da Gália, nome pelo qual era conhecido o território da França, ossadas de guerreiros armados e de mulheres enfeitadas com joias de bronze foram encontradas em escavações arqueológicas próximo da cidade de Troyes, a 120 km de Paris.

A descoberta foi feita há algumas semanas por equipes do Instituto de Pesquisas Arqueológicas da França.

Cerca de 30 túmulos foram identificados, dos quais a metade foi até agora registrada. Foram encontrados os restos de cinco guerreiros nas escavações - foi possível identificar indícios, como objetos, que apontam que eram homens armados.

As ossadas atribuídas a mulheres foram encontradas com joias características da cultura Tène, do século 4 antes de Cristo, uma época de importantes migrações célticas. A necrópole recém-descoberto ainda tem segredos a revelar, de acordo com os cientistas.

Foram identificados 30 túmulos, sendo que cinco das ossadas pertencem a homens guerreiros, segundo os arqueólogos (Foto: François Nascimbeni/AFP)Foram identificados 30 túmulos, sendo que cinco das ossadas pertencem a homens guerreiros, segundo os arqueólogos (Foto: François Nascimbeni/AFP)
Local de escavação, situado a 120 km de Paris, capital da França (Foto: François Nascimbeni/AFP)Local de escavação, situado a 120 km de Paris, capital da França (Foto: François Nascimbeni/AFP)





Enviado via iPad

0 komentar:

Joseph Kosinski fala sobre ABISMO NEGRO e TRON 3

O diretor Joseph Kosinski, durante uma entrevista de divulgação de Oblivion, falou rapidamente sobre seus dois próximos projetos sci-fi para a Disney. Sobre a refilmagem de O Abismo Negro, ele disse estar empolgado, já que será uma viagem ao centro da galáxia, e que ele e sua equipe tem uma grande ideia para o buraco negro. Também disse que muito em breve haveria grandes notícias, e de fato poucas horas depois uma já surgiu: segundo o Hollywood Reporter, Jon Spaihts, autor do roteiro original de Prometheus (posteriormente alterado por Damon Lindelof), foi contratado para escrever o script. Já sobre Tron 3 (título provisório), Kosinski disse que o projeto continua avançando: já há um título escolhido (mas ainda não divulgado), e a trama seguirá a premissa mostrada no final de Tron: O Legado.
 
SCI FI do Brasil

0 komentar:

Curse of Tutankhamen – 90 years on

curse
 
Friday 5 April 2013, marks the 90th anniversary of the death of the Egyptologist Lord Canarvon and the start of the mysterious curse of Tutankhamen, but author and University of Manchester Egyptologist Dr Joyce Tyldesley points out the real story is far from sinister.She argues that an exclusive media deal coupled with the subsequent reliance on non-expert comment helped fuel rumours of a curse. Although she also notes that the curse of Tutankhamen is now far more famous than both the original Egyptian king and the men who first unearthed his treasure laden tomb.
It was in November 1922 when the Egyptologist Howard Carter and his team, including Lord Carnarvon, first entered the tomb of Tutankhamen. Their discovery received worldwide media attention, but an exclusive deal with The Times left scores of journalists sitting in the dust outside with nothing to see and no one to interview.
Consequently newspapers turned to all sorts of “experts” to comment on the tomb, including popular fiction authors like Arthur Conan Doyle. Most prominent of all was the popular novelist Marie Corelli, whose comments regarding the health of Lord Carnarvon helped to ignite rumours of a curse.

The curse begins

George Herbert, 5th Earl of Carnarvon, at Howard Carter’s home on the Theban west bank [Public domain], via Wikimedia Commons
George Herbert, 5th Earl of Carnarvon, at Howard Carter’s home on the Theban west bank [Public domain], via Wikimedia Commons
In a report in
The Express
on 24 March 1923 about Lord Carnarvon’s health Marie Corelli wrote:
“I cannot but think that some risks are run by breaking into the last rest of a king of Egypt whose tomb is specially and solemnly guarded, and robbing him of possessions. This is why I ask: was it a mosquito bite that has so seriously infected Lord Canarvon?”When, just a few days later Lord Carnarvon succumbed to his illness, Marie Corelli was hailed as a clairvoyant and a legend was born.
Dr Tyldesley remarks: “Finally the world’s press had a story they could publish without deferring to The Times; a human tragedy far more compelling than the disappointingly slow-moving events at the tomb. As with all celebrity deaths, the story rapidly gathered its own momentum and soon there were reports of sinister goings on. At the very moment of Carnarvon’s death all the lights in Cairo had been mysteriously extinguished and at his English home Carnarvon’s dog, Susie, let out a great howl and died.”
However, as Dr Tyldesley makes clear in her book, ‘Tutankhamen’s Curse: The Developing History of an Egyptian king’, a power cut in Cairo is far from unusual and given the time differences rather than dying simultaneously, Susie actually died four hours after her master.
But never letting the facts get in the way of a good story the press continued with the line that Carnarvon had succumbed to an ancient curse. It was Marie Corelli again who brought this to life with her phrase “death comes on wings to he who enters the tomb of a Pharaoh” and it was soon accepted that this or a slight variation was carved either over the entrance to Tutankhamen’s tomb or somewhere inside it.
However no evidence of this inscription has ever been found and Dr Tyldesley says it’s highly unlikely Tutankhamen would have felt the need to have one inscribed on his tomb.
“In a land where only about 5% of the population was literate it seems unlikely that those tempted to rob could actually read any warning. Instead it was widely accepted that the dead had the power to interfere with the living.”

 

Not letting facts get in the way of a good story

But the absence of any concrete proof did nothing to quell the rumours. As the years went on more deaths were attributed to the curse including Prince Ali Kemal Fahmy Bey who had visited the tomb – he was shot by his wife in 1923, Georges Bénédite the Head of the Department of Antiquities at the Louvre Museum who died in 1926 after seeing the tomb and in 1934 Albert Lythgoe the Egyptologist at the Metropolitan Museum of Art in New York who had seen the open sarcophagus of Tutankhamen a decade before.
Right up until the 1970s deaths were being ascribed to the curse including among the flight crew that brought Tutankhamen’s 1972 exhibition to London.
However, Howard Carter himself found it necessary time and time again to report that Tutankhamen’s tomb contained no biological booby traps, poisons or curse. In fact, of those who had first crept into the Burial Chamber, only Lord Canarvon had died prematurely.

 
Curse of the Pharaohs - 1957 film card
Curse of the Pharaohs – 1957 film card

 

So what of the death that sparked a legend?

It’s widely believed that Lord Canarvon died from blood poisoning after accidently cutting a mosquito bite whilst shaving. He was after all 57 years old at a time when the average male life expectancy at birth in the UK was just that. His health had also been severely weakened by a near-fatal car crash in Germany in 1901.
Other popular theories include the suggestion that Carnarvon might have been infected by a bite from a mosquito which had itself been contaminated by drinking Tutankhamen’s embalming fluids. This was first put forward by the Daily Mail and gained in popularity when the mummy’s autopsy revealed the scar on Tutankhamen’s face which was widely accepted as a mosquito bite linking Tutankhamen to Carnarvon. Unfortunately this theory doesn’t stand up as there were no mosquitoes in the dry Valley of the Kings before the Aswan dam was built in the 1960s.
Sir Arthur Conan Doyle was the first to suggest that poisonous spores may have been included in the tomb. But this seems extremely unlikely given that ancient Egyptian medicine did not understand the causes of illnesses and sicknesses were attributed to malevolent spirits.
A suggestion he could have been poisoned by inhaling ancient and toxic bat guano that was heaped on the tomb floor can be ruled out as no bats had penetrated the sealed tomb.
And finally, the idea that Carnarvon might have been killed by radiation within the tombs has become increasingly popular. However, there is no evidence to support this theory.
So why has the concept of Tutankhamen’s curse persisted? Dr Tyldesley concludes:
It’s a testament to the popularity of the occult that the modern legend of Tutankhamen’s curse continues to be believed even today. However, it’s not really surprising that this aspect of the story has lasted. Given the choice between focussing on the pretty average life of King Tut, a tomb they weren’t allowed to see and a relatively uneventful death, journalists can’t be blamed for wanting to write about a mysterious ancient curse; no matter how unlikely its existence really is.”
Deaths popularly attributed to Tutankhamun’s ‘curse’:
  • Lord Carnarvon, financial backer of the excavation team who was present at the tomb’s opening, died on April 5, 1923 after a mosquito bite became infected; he died 4 months, and 7 days after the opening of the tomb.
  • George Jay Gould I, a visitor to the tomb, died in the French Riviera on May 16, 1923 after he developed a fever following his visit.
  • Egypt’s Prince Ali Kamel Fahmy Bey died July 10, 1923: shot dead by his wife.
  • Colonel The Hon. Aubrey Herbert, MP, Carnarvon’s half-brother, became completely blind and died 26 September 1923 from blood poisoning related to a dental procedure intended to restore his eyesight.
  • Woolf Joel, a South African millionaire and visitor to the tomb, died November 13, 1923: shot dead in Johannesburg by blackmailer Baron Kurt von Veltheim whose real name was Karl Frederic Moritz Kurtze.
  • Sir Archibald Douglas-Reid, a radiologist who x-rayed Tutankhamun’s mummy, died January 15, 1924 from a mysterious illness.
  • Sir Lee Stack, Governor-General of Sudan, died November 19, 1924: assassinated while driving through Cairo.
  • A. C. Mace, a member of Carter’s excavation team, died in 1928 from arsenic poisoning
  • The Hon. Mervyn Herbert, Carnarvon’s half brother and the aforementioned Aubrey Herbert’s full brother, died May 26, 1929, reportedly from “malarial pneumonia”.
  • Captain The Hon. Richard Bethell, Carter’s personal secretary, died November 15, 1929: found smothered in his bed.
  • Richard Luttrell Pilkington Bethell, 3rd Baron Westbury, father of the above, died February 20, 1930; he supposedly threw himself off his seventh floor apartment.
  • Howard Carter opened the tomb on February 16, 1923, and died well over a decade later on March 2, 1939; however, some have still attributed his death to the ‘curse’.
Source: University of Manchester

0 komentar:

Hallada en Egipto una tumba que podría iluminar el misterio del faraón niño

sarcofago-infantil
 
Hace más de 3.500 años, Egipto atravesaba un largo periodo de crisis. Como en la península ibérica durante las invasiones musulmanas, los gobernantes autóctonos habían perdido el control de su territorio. Su dominio se limitaba al sur del país y ni siquiera allí el poder de los reyes era omnímodo. Su debilidad permitía que quienes en realidad ejerciesen el poder fuesen los gobernantes locales. En aquel tiempo, los reyes de la dinastía XVII comenzaron a reconstruir el esplendor egipcio en torno a la ciudad de Tebas. Desde allí, lanzarían la reconquista del país frente a los hicsos, procedentes de oriente próximo, que acabaría con la reunificación del país en torno al Imperio Nuevo.
En ese periodo convulso, al modo de la Reconquista española, surgieron héroes militares, como el arquero Iqer, “el excelente”, un guerrero destacado en aquella especie de edad media egipcia, y reyes míticos, como el pequeño Ahmose-sapair, un príncipe que, pese a morir a los 4 o 5 años, fue venerado como un santo, recibió culto durante 500 años y fue incluido en las listas de reyes junto a otros grandes monarcas. Una parte importante de esa historia está siendo reconstruida por el equipo hispano-egipcio de arqueólogos del Proyecto Djehuty, liderado por el CSIC, que lleva ya 12 años excavando en Egipto.
En la última campaña, en la colina de Dra Abu el-Naga, cerca de la antigua Tebas, los investigadores han encontrado los vestigios del enterramiento de cuatro personajes que debieron formar parte de la élite de la dinastía XVII. Uno de ellos es un niño de unos 4 o 5 años que, por el estilo de la talla del sarcófago, debía ser el hijo de un aristócrata de la época. Cerca de esa tumba infantil, el equipo del proyecto Djehuty descubrió ocho figurillas funerarias de madera que representan momias humanas. Tanto estas figurillas como cuatro piezas de lino desenterradas junto a ellas llevan inscrito el nombre de Ahmose o Ahmose-sepair, el legendario príncipe que falleció cuando aún era un niño. Pese a que la coincidencia de edades y la parafernalia encontrada en la tumba resulte fácil relacionar al niño encontrado por el equipo del CSIC y el rey mítico, José Manuel Galán, director del proyecto, no quiere sacar conclusiones precipitadas y considera que aún no se tienen pruebas para afirmar que la momia hallada pertenece a Ahmose. Para identificarlo sin dudas, sería necesario encontrar alguna inscripción en el sarcófago o en el sudario que envuelve el cadáver, algo que, según el propio Galán, puede no suceder.
Las figurillas, que de momento no son una prueba definitiva para probar el hallazgo del príncipe niño, cuentan otras historias curiosas sobre el periodo en que vivieron sus creadores. Galán explicó ayer en una presentación en Madrid que son tremendamente originales. En una etapa de fragmentación política, la capacidad del Estado para unificar el arte era mucho más limitada y los artistas creaban con mayor libertad. Años después, con la unificación política, también llegaría una homogeneización en las obras de arte, que llevaría a la producción en cadena y a la pérdida de valor de aquellos objetos artísticos. Una sandalia conservada como si se hubiese sacado hace diez días del armario, un instrumento para marcar el ritmo y una bola que debieron de usar los niños para jugar, son otros de los objetos encontrados por el equipo Djehuty.

 

Trabajo para un siglo

Según ha explicado Galán, aunque aún no tienen el aura de Ahmose, es posible que en el futuro algunos de los nuevos personajes descubiertos superen su relevancia. Uno de los que podrían dar algunas sorpresas es Intefmose, al que las inscripciones encontradas en su tumba denominan “hijo del rey”. Él podría ser hijo de Sobekemsaf, uno de los primeros monarcas de la dinastía XVII del que hasta ahora existe muy poca información.
Los misterios que quedan por resolver son múltiples, pero si las circunstancias económicas no les derrotan, el equipo Djehuty está dispuesto a seguir desentrañándolos centímetro a centímetro. “Allí hay trabajo para 100 años”, ha afirmado Galán. De momento, cuentan con noticias positivas. Por un lado, saben que las tumbas que han encontrado hasta ahora no han sido saqueadas en época moderna aunque lo hubiesen sido antes. Los ladrones de la antigüedad solo se ocupaban del oro y dejaban para los arqueólogos, aunque no fuese de forma consciente, una gran cantidad de baratijas que el paso de los siglos ha convertido en objetos de enorme valor. Además, un informe de los sacerdotes de Amón hacia el año 1.000 a.C. decía que, al menos hasta entonces, la tumba de Ahmose-sapair estaba “intacta”.

http://es-us.noticias.yahoo.com/hallada-en-egipto-una-tumba-que-podr-iluminar-165425047.html

0 komentar:

La astronomía sumeria


La astronomía está considerada como la ciencia más antigua de todas. Los sumerios, a partir de la observación de su entorno, desarrollaron una visión del universo. Pensaban que la tierra flotaba en el centro de un gran mar llamado Nammu. Nammu era el origen de la creación. De él salieron los peces, las fieras, el cielo y la tierra. Un buen día, cielo y tierra se separaron. Por un lado, el cielo se encarnó en el Dios An, y la tierra en la diosa Ki. Ambos fecundaron un hijo llamado Entil, que fue el responsable de la atmósfera, del viento y de la tormenta.
Todo esto tenía lugar dentro de una gran cúpula de latón. En la base se encontraba el gran mar. En el medio, estaba flotando la tierra, plana por supuesto. En el Este y el Oeste había cadenas montañosas, por detrás de las cuales salían y se ponían el Sol y la Luna. Debajo de la tierra había un submundo donde iban a parar las almas de los muertos, algo así como el infierno.
El estudio del cielo les llevó a pensar que la cúpula de latón no era única. Veían que, al fondo del todo, había una serie de puntitos de luz que no se movían. Pensaron que todas estas estrellas debían estar en una capa muy lejana. En otra más próxima se encontraban una serie de estrellas que se movían con independencia de los elementos ubicados en cúpulas del fondo. Se trataba de los planetas. Los sumerios fueron los primeros en identificar que había “estrellas errantes” que, durante todo el año avanzaban en una dirección pero, durante algún tiempo, deshacían el camino andado y retrocedían (movimiento retrógrado). En cúpulas más cercadas a nosotros estaban el Sol y la Luna.
Un hecho curioso es que, aunque descubrieron cinco planetas (Mercurio, Venus, Marte, Júpiter y Saturno) no consiguieron identificar que los dos planetas interiores aparecían tanto por la mañana como por la noche. De hecho, pensaron que eran diferentes según el momento en el que apareciesen.
El estudio del movimiento de los cuerpos celestes les ayudó a definir la eclíptica, que es la ruta que sigue el Sol a lo largo del firmamento. Gracias a este movimiento desarrollaron un calendario solar, que se dividía en dos estaciones: verano e invierno. El verano empezaba en el equinoccio de primavera y el invierno en el de otoño. El día de Año Nuevo, uno de los más importantes para esta civilización, tenía lugar en el equinoccio de primavera.

También crearon un calendario lunar. Gracias a él, asignaron 12 meses al año. Y, para ajustar este calendario con el solar, añadían un mes extra cada cuatro años. Prestaron especial atención al estudio de la Luna, llegando incluso a predecir cuándo tendrían lugar los eclipses.
Mucha gente piensa que el origen de las constelaciones a la debemos al pueblo griego. En realidad, fueron los sumerios quienes dividieron la eclíptica en 12 partes, y asignaron un símbolo a cada una de ellas.
Los primeros mapas celestes también corrieron a cargo del pueblo sumerio y bautizaron las estrellas más brillantes del firmamento.
Esta civilización es una de las más antiguas que se conocen y aún así destacaron en aritmética, geometría y álgebra. Desarrollaron tablas de multiplicar, se han descubierto textos en los que se plantean ejercicios geométricos y hasta divisiones. También ellos les debemos la creación del ábaco y las magnitudes. Era tal su dominio de las matemáticas que asignaron 360° a la circunferencia y dividieron el día en 24 horas. Cada hora la dividieron en 60 minutos y cada minuto en 60 segundos.
Este pueblo tan avanzado asentó las bases de la cultura clásica. Pueblos como los Babilonios, Egipcios o Griegos tomaron parte de sus conocimientos.

Fuente:
AstroFácil

0 komentar:

El joven que salvó la misión del Apolo 12

apolo12-curiosidades--644x362
Un joven ingeniero de la NASA logró salvar a los astronautas de esta misión después de que un fallo durante el despegue desconectara los sistemas informáticos de la nave

Hace unos años, Hollywood hizo mundialmente conocida la odisea que vivieron los tripulantes de la misión Apolo 13 para poder regresar sanos y salvos a la Tierra, después de la explosión de un tanque de oxigeno en medio del espacio. Sin embargo, lo que muy pocos saben es que la misión inmediatamente anterior estuvo también a punto de acabar en tragedia.

Todo sucedió el 14 de noviembre de 1969 durante el lanzamiento del Apolo 12, en un día cubierto de nubes y muy lluvioso. Según nos cuenta Álvaro Ibáñez en el blog «Microsiervos», a los 36 segundos de iniciarse el despegue, la fricción del cohete mojado con el aire provocó un rayo entre este y la torre de lanzamiento, que desactivó el ordenador de abordo del módulo de mando y algunos de sus sistemas. Veinte segundos después, un segundo rayo impactó contra la nave inutilizando otros indicadores como el de altitud y los giroscopios.

Durante unos angustiosos segundos los astronautas viajaron a más de 1.600 kilómetros por hora a ciegas. Por suerte, los sistemas del enorme cohete Saturno V no se vieron afectados por la descarga y continuó con su trayectoria correcta. Momentos después, los ingenieros de tierra consiguieron reiniciar los ordenadores de módulo de mando, pero los datos que recibían carecían de todo sentido.

Incapaces de interpretar los datos que llegaban desde la nave, en el centro de control se planteaban la posibilidad de abortar la misión, a la vez que empezaban a temer por la vida de los tres astronautas que viajaban a bordo. Por suerte para ellos, un ingeniero de tan solo 26 años, con gafas y aspecto desaliñado tenía la solución a su grave problema.

Se trataba de John Aaron, un auténtico apasionado del programa Apolo que conocía a la perfección todos sus sistemas. El joven recordó que unos años atrás había visto un problema similar en un simulador del Centro Espacial Kennedy y sabía que la solución se encontraba en un botón del módulo de mando de la nave del que la mayoría de los especialistas del Centro de Control de Misión de la NASA ni siquiera habían oído hablar.

Rápidamente, Aaron indicó a los astronautas que probasen a poner el botón SCE en auxiliar, a lo que estos sólo pudieron responder con un escueto «¿Qué?». El ingeniero tuvo que repetirles varias veces la orden hasta que el comandante de la misión acertó a preguntarle «qué coño era el botón SCE y dónde estaba».

Tras recibir las instrucciones concretas, accionaron el botón que consiguió restablecer correctamente la corriente eléctrica del módulo de mando. Una serie de risas histéricas comenzaron a sonar a bordo del Apolo 12 mientras la nave continuaba su viaje, rumbo a la Luna. Fascinante, ¿verdad?.

http://www.abc.es/tecnologia/redes/20130405/abci-joven-salvo-apolo12-201304050910.html

0 komentar:

2001 - Uma Odisseia no Espaço completou 45 anos!

2001

Há 45 anos chegava aos cinemas uma obra-prima. Da colaboração entre Stanley Kubrick e Arthur C. Clarke, nascia o épico espacial que se tornaria um marco cinematográfico, considerado um dos melhores e mais influentes longas da história - sendo o #6 na lista da  Sight & Sound dos melhores filmes de todos os tempos.

Parcialmente inspirado no conto A Sentinela de Clarke,2001 - Uma Odisséia no Espaço  trata com apuro científico temas como a evolução humana, tecnologia, inteligência artificial e vida extraterrestre. O pioneirismo e a qualidade dos seus efeitos especiais foram premiados com o Oscar e criaram um novo (e alto) parâmetro para as ficções científicas. Para celebrar o aniversário, separamos dez curiosidades sobre a produção:

1 - Não há diálogo nos primeiros 25 minutos de filme (o silêncio acaba com a voz da comissária de bordo em 25:38) e nem nos últimos 23 minutos (sem contar os créditos finais). Somando essas duas sequências, e outras duas mais curtas, há 88 minutos sem diálogos no filme.

2 -Para as cenas na superfície da Lua, Kubrick mandou importar, lavar e pintar centenas de toneladas de areia.

2001

3 - Originalmente, Kubrick pediu ao maquiador Stuart Freeborn  para criar um visual primitivo, mas humano, para os primeiros homens. O problema é que a maquiagem criada exigia que os atores estivessem nus, o que levaria o filme a ganhar uma classificação 18 anos. Kubrick, então, optou pelo visual dos macacos. Com exceção dos filhotes de chipanzé, todos os personagens foram interpretados por humanos, sendo o comediante Ronnie Corbett o modelo usado para a maquiagem criada por Freeborn e sua esposa, Kathleen.

4 - De acordo com produtor e supervisor de efeitos especiais Douglas Trumbull, a quantidade de material filmado superaria em 200 vezes os 160 minutos de filme exibidos na première.

2001

5 - Depois de trabalhar meses, sem sucesso, com a equipe de efeitos especiais para chegar a um efeito verossímil para cena da caneta flutuante, Kubrick decidiu que a melhor forma seria "colar" a caneta a uma lâmina de vidro e suspendê-la na frente da câmera. Ao final da cena, é possível ver a comissária da nave puxar a caneta do vidro.

6 - Segundo Gary Lockwood, Kubrick originalmente concebeu HAL 9000 como Athena e o computador teria a voz de uma mulher. Em seguida, o diretor tentou usar Martin Balsam, mas achou que sua voz tinha muita emoção e um sotaque nova-iorquino. Nigel Davenport também foi testado e considerado "britânico demais". Douglas Rain foi então escolhido pelo diretor-assistenteDerek Cracknell e aprovado por Kubrick por ter uma "espécie de sotaque brando do meio do Atlântico" que seria ideal para o papel. Rain gravou sua participação em apenas 9 horas.

7 - Kubrick e Clarke assistiram diversas ficções científica durante a preparação criativa para filme e o próprio Kubrick admitiu a influência dos filmes do produtor George PalA Conquista do Espaço(1955), por exemplo, teria influência em diversos pontos da trama.

8 - Segundo Clarke, Kubrick tentou conseguir uma apólice de seguro na Lloyd's of London,  mercado de seguro britânico famoso pelas coberturas incomuns (como segurar a voz de Bruce Springsteen em US$ 6 milhões), caso extraterrestres fossem descobertos antes do lançamento do filme. O astrônomo Carl Sagan chegou a comentar a recusa da Lloyd's: "Em meados da década de 60 não existia nenhuma busca por inteligência extraterrestre e as chances de alguém se deparar acidentalmente com extraterrestres era extremamente pequena. A Lloyd's of London perdeu uma boa aposta".

2001

9 - O monolito originalmente seria um tetraedro preto, porém, o objeto não refletia bem a luz. Kubrick então decidiu usar um cubo transparente, mas a alternativa se provou díficil em função dos reflexos criados pelas luzes do estúdio. Antes da conhecida placa preta também foi testato um monolito retangular de acrílico, mas a opção foi descartada pois não parecia convincente.

10 - O Pink Floyd faria a trilha sonora do filme. Apesar da colaboração não ter acontecido de fato, acredita-se que, seguindo a tradição da ligação entre O Mágico de Oz e Dark Side of the Moon, os mais de 23 minutos de "Echoes", do álbum Meddle, podem ser perfeitamente sincronizados à sequência "Jupiter & Beyond the Infinite" do filme.

1 komentar:

1,2 milhão de chineses morreram em 2010 por causa da poluição do ar

 

Editora Globo

15% das moretes ocorridas em 2010 na China foram causadas pela poluição do ar - pelo menos é isso o que revela um estudo da Universidade Tsinghua do país. O número equivale a 1,23 milhão de chineses.

Segundo os pesquisadores, as mortes ocorreram devido a micro-partículas de poluentes que entram no sangue após serem inaladas. Isso causaria danos ao cérebro, ao coração e ao sistema respiratório de quem é exposto a elas.

Vale lembrar que no fim de 2012 até o início deste ano, uma fumaça densa tomou conta de 25% do território chinês, afetando cerca de 600 milhões de pessoas. No mesmo período, o número de pessoas com doenças respiratórias foi 30% maior do que o normal. 

Via RocketNews

1 komentar:

Russos malucos subiram ilegalmente nas pirâmides do Egito e tiraram estas fotos inacreditáveis

Semana passada, um grupo de fotógrafos russos aparentemente escalou a Grande Pirâmide de Gizé, no Egito. Eles se esconderam de guardas por quatro horas após o fim das visitas e começaram a subir. Segundo um dos fotógrafos, escalar a pirâmide pode dar punição de um a três anos. Mas valeu a pena. "Fiquei sem palavras", ele escreveu. "Senti um prazer arrepiante, uma felicidade absoluta." Eis alguma das fotos:

original (1)

Como eles estavam visíveis para os guardas, a maior parte das fotos foram tiradas enquanto eles estavam deitados:

original (2) original (3)

original (4)original (5) original (6)

[Mister-MaratRaskalov via EnglishRussia]





Enviado via iPad

0 komentar:

Museu de Nova York é acusado de enganar turistas sobre ingressos


Um dos maiores museus do mundo, o Metropolitan Museum, em Nova York, está sendo acusado de enganar os visitantes, fazendo-os acreditar que o preço do ingresso é obrigatório – quando, na verdade, é apenas uma recomendação, já que os turistas podem pagar o quanto quiserem pela entrada.

Com um acervo que inclui Picassos, Renoirs e Rembrandts, o Met, como é conhecido, recebe mais de 6 milhões de visitantes por ano. Na placa na qual está escrito o valor de US$ 25 para o ingresso de adulto, há um aviso em letras miúdas, onde se pode ler a palavra "Recomendado".

Como muitos turistas (principalmente estrangeiros) não percebem o aviso e acabam acreditando que o valor total é obrigatório, uma ação na Justiça acusa o museu de usar marketing enganoso e inclusive de treinar os funcionários do caixa para violar a lei estadual de 1893, que determina que o público deve ser admitido de graça por ao menos cinco dias e duas noites na semana. Em troca, a instituição ganha contribuições anuais do governo e o aluguel grátis do prédio e do terreno na cara região da 5ª Avenida.

"O museu deveria ser aberto a todos, sem levar em conta suas condições financeiras. Em vez disso, ele se converteu em uma atração de elite", afirma Arnold Weiss, um dos dois advogados que lideram a ação em nome de três frequentadores do museu: um morador de Nova York e dois turistas da República Tcheca.

Entre as alegações está a de que o Met vende a filiação para membros anunciando o benefício de admissão grátis, benefício ao qual qualquer um já teria direito. A ação pede compensações para membros do museu e visitantes que pagaram com cartão de crédito nos últimos cinco anos.

'É preciso pagar alguma coisa'
O porta-voz do Met, Harold Holzer, negou as acusações e disse que a política de requerer que os visitantes paguem ao menos algo é aplicada há mais de quatro décadas.

Segundo ele, a base do processo, de que a admissão deve ser gratuita, está errada porque a lei que os advogados citam foi desbancada várias vezes, e a cidade aprovou outra norma que afirma que os visitantes precisam pagar ao menos alguma quantia (mesmo que seja um centavo) para entrar. "É preciso pagar alguma coisa", diz Holzer.

Um ex-supervisor do museu, que treinou os caixas de 2007 a 2011, foi chamado a testemunhar.

Segundo os advogados, esse funcionário treinou as pessoas que ficam no caixa para encorajar os visitantes a pagar a taxa completa, dizendo coisas como "você deve imaginar que é muito caro fazer um museu funcionar".

Ele teria contado, também, que entre 2010 e 2011 o termo do cartaz mudou de "sugerido" para "recomendado" porque os administradores acharam que era uma palavra mais forte para encorajar as pessoas a pagarem mais.

Sobre a mudança na palavra, Holzer afirma que o museu, na verdade, "achou na época, e ainda acha, que a palavra 'recomendado' é mais suave do que 'sugerido".

O Metropolitan Museum é uma das instituições culturais mais ricas do mundo, e apenas 11% dos custos de suas operações em 2012 foram cobertas pelo dinheiro arrecadado com ingressos. Por ser uma organização sem fins de lucro, o museu não paga impostos e taxas.

Segundo Holzer, no ultimo ano fiscal, 41% dos visitantes pagaram a taxa total recomendada — U$ 25 para adultos, US$ 17 para idosos e US$ 12 para estudantes.






Enviado via iPad

0 komentar:

Gravuras no Egito revelam o que pode ser a primeira representação de um faraó

Seguindo pistas deixadas por um explorador vitoriano, pesquisadores nos EUA e na Bélgica redescobriram um conjunto extraordinário de gravuras rupestres no sul do Egito. As rochas do deserto podem abrigar a mais antiga representação de um faraó.

Detalhes do estilo e do conteúdo dos desenhos sugerem que eles foram feitos durante a "dinastia 0", período nebuloso no qual uma série de reinos teriam disputado a supremacia no país do Nilo.

No fim da pancadaria, sobrou um só rei, unificando as coroas do Alto Egito (o sul da região) e do Baixo Egito (área próxima do Mediterrâneo).

Ao que parece, o monarca representado nas pedras de Nag el-Hamdulab ainda não era esse campeão, já que o artista o retratou só com a coroa do Alto Egito (que lembra um pino de boliche encaixado na cabeça real).

Mas a presença desse e de outros símbolos sugere que ele já tinha centralizado em suas mãos o poder político e religioso do sul do Egito --o que, no fundo, resume a figura do faraó.

Os achados estão descritos na revista "Antiquity", especializada em arqueologia.

A pesquisa é assinada por Stan Hendrickx, da Faculdade de Mídia, Arte e Design de Hasselt, na Bélgica, e por John Coleman Darnell e Maria Carmela Gatto, ambos da Universidade Yale (EUA).

A descoberta "não foi um negócio simples", contou Hendrickx à Folha.

Editoria de arte/Folhapress

Os primeiros relatos sobre as gravuras, feitos pelo britânico Archibald Sayce (1845-1933) no fim do século 19, vieram a público quando não se sabia nada sobre a "dinastia 0" e ficaram esquecidos por mais de cem anos.

Em 2008, um conhecido de Hendrickx mostrou a ele fotos que pareciam bater com os desenhos de Sayce. E, logo depois, Maria Gatto redescobriu o sítio arqueológico.

SÍMBOLOS

Uma série de motivos levou os pesquisadores a estimar que as gravuras teriam sido feitas por volta de 3200 a.C., um século antes do reinado de Narmer, considerado por muitos o primeiro faraó a unificar o Alto e o Baixo Egito.

Primeiro, a parafernália real do monarca de Nag el-Hamdulab é mais simples. Ele é acompanhado por "só" dois porta-estandartes e um porta-leque, enquanto representações posteriores do faraó podiam dobrar esse séquito.

Além disso, a figura do rei é só um pouco maior que a de seus homens. Em desenhos mais tardios, o faraó era um gigante cercado de nanicos.

Finalmente, o rei é acompanhado por um cão --animal que era símbolo de poder na época, mas perdeu a função nos milênios seguintes.

O principal desenho inclui uma inscrição em hieróglifos, a escrita egípcia por excelência, que menciona um "séquito náutico" --e, de fato, o faraó está cercado de barcos ricamente paramentados.

Hendrickx associa essa expressão a um costume dos faraós posteriores, o "Séquito de Hórus", no qual o rei percorria o país a cada dois anos, atuando como juiz e coletando impostos (Hórus era o deus com o qual o faraó se identificava na vida terrena).

Os barcos seriam a procissão triunfante do faraó pelo Nilo, mostrando seu poder aos súditos.






Enviado via iPad

0 komentar:

Assassinato de Gandhi será levado aos cinemas na Índia

A história do assassinato ao líder indiano Mahatma Gandhi com três tiros à queima-roupa, no dia 30 de janeiro de 1948, será levada aos cinemas da Índia em breve, informou nesta quinta-feira a produtora Cinetek Films.

A trama do complô para assassinar a um dos grandes ícones do século 20 estará baseada no livro "The Men Who Killed Gandhi" (Os Homens que Mataram Gandhi), do escritor indiano Manohar Malgonkar, apontaram fontes da produtora citadas pela agência "PTI".

A produtora, que adquiriu os direitos autorais da obra, escolheu o cineasta Siddharth Sengupta, o mesmo de "Oye Lucky! Lucky Oye!" e "Agneepath", entre outros, para assumir a direção do filme.

De acordo com as fontes, as filmagens serão iniciadas no próximo dia 15 de agosto, dia da independência da Índia, enquanto o filme estreará em janeiro de 2014, coincidindo com o 66º aniversário da morte de Gandhi.

Além de abordar o assassinato de Gandhi, o longa também narrará o julgamento de Godse, que foi condenado à morte e morreu na forca no dia 15 de novembro de 1949.

Reprodução
O líder social Mahatma Gandhi (1869-1948)
O líder social Mahatma Gandhi (1869-1948)

A vida e o assassinato do líder independentista já foram levados inúmeras vezes ao cinema, embora este novo filme tenha a particularidade de focar e esmiuçar o complô que resultou na morte de Gandhi.

Neste aspecto, o filme "Gandhi" (1982), dirigido por Richard Attenborough e com Ben Kingsley no elenco, talvez seja o longa sobre esta temática que mais tenha alcançado reconhecimento, já que ganhou oito prêmios Oscar, entre eles o de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator.

De certa forma, a memória que temos de Gandhi atualmente se deve muito a esse filme de Attenborough, que realizou um retrato amável do líder espiritual e evitou as controvérsias que o rodeavam.




Enviado via iPad

0 komentar:

Astronautas pegam atalho e chegam à estação espacial em tempo recorde

Dois cosmonautas russos e um astronauta americano tomaram um atalho espacial nesta quinta e chegaram à Estação Espacial Internacional menos de seis horas após a decolagem no cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão.

A rota expressa, utilizada pela primeira vez por uma nave tripulada para chegar à estação, reduziu cerca de 45 horas o tempo de viagem do três viajantes --o astronauta da Nasa Chris Cassidy, e os cosmonautas russos Pavel Vinogradov e Alexander Misurkin-- até a estação.

Todas tripulações anteriores da estação, seja nos ônibus espaciais da Nasa, agora aposentados, ou nas cápsulas russas Soyuz, demoraram pelo menos dois dias para alcançar a estação espacial, um laboratório de pesquisa de US$ 100 bilhões que flutua a 400 km sobre a Terra.

"Quanto mais perto da estação, melhor nos sentimos. Tudo está correndo bem", disseram os astronautas aos controladores enquanto a cápsula Soyuz se aproximava da estação especial, um projeto mantido por 15 nações.

Na ISS, o comandante da Expedição 35, Chris Hadfield, da Agência Espacial Canadense, estava pronto para cumprimentar a nova tripulação, ao lado do astronauta da Nasa Thomas Marshburn e o cosmonauta Roman Romanenko.

Dmitry Lovetsky/AP
Foto em estação do Cazaquistão mostra rastro deixado pela foguete com a cápsula Soyuz, que leva nova tripulação à Estação Espacial Internacional, lançado
Rastro deixado pela foguete que transportava nova tripulação à Estação Espacial Internacional





Enviado via iPad

0 komentar:

Novos canais de erosão são encontrados em cratera marciana

Uma câmera de alta resolução voando a bordo da missão Mars Reconnaissance Orbiter, que está mapeando a superfície marciana, captou uma imagem fantástica de canais de erosão em uma cratera marciana.
Divulgação/Nasa
canais de erosão em cratera marciana
Canais de erosão em cratera marciana

Canais como esse são encontrados em muitas crateras presentes nas latitudes médias de Marte. Mudanças nos canais vêm sendo observadas em imagens desde 2006 e estudar tais atividades tornou-se uma prioridade da nova missão. Vários exemplos de novos depósitos em canais são agora conhecidos.

A imagem mostra um novo depósito na cratera Gaza e foi tirada durante a primavera no sul do planeta, mas o fluxo que forma o depósito ocorreu no inverno anterior.

A atividade dos canais parece ser concentrada no inverno e começo da primavera, e pode ser causada pelo movimento sazonal do dióxido de carbono congelado que é visível nos canais no inverno.

Divulgação/Nasa
Cratera em Marte
Cratera em Marte





Enviado via iPad

0 komentar:

Carta escrita por John Lennon a Paul e Linda McCartney irá a leilão


Carta escrita por John Lennon a Paul e Linda McCartney irá a leilão Divulgação/

Foto: Divulgação

Uma carta escrita por John Lennon em 1971 para Paul e Linda McCartney será leiloada no dia 30 de maio pela casa americana Profiles in History. O valor esperado pelo item é de US$ 60.000 (algo em torno de R$ 120.000).

Não é a primeira carta de Lennon para o casal McCartney a ser leilada. No ano passado, a casa de leilões Christie's, em Londres, tentou sem sucesso a venda de uma em que Lennon falava sobre o fim dos Beatles e o tratamento dado a Yoko Ono. A carta não atingiu o valor esperado e ficou arquivada.

No mesmo leilão, estarão outros documentos de nomes como Marilyn Monroe e do ex-presidente dos Estados Unidos Dwight Eisenhover.






Enviado via iPad

0 komentar:

Grupo Kraftwerk é banido de show na China

Os integrantes do coletivo alemão Kraftwerk, considerado um dos mais importantes grupos de música eletrônica, tiveram seus vistos para entrar na China negados.

A banda, que tem mais de 40 anos de carreira, não poderá se apresentar no Strawberry Festival, marcado para acontecer entre os dias 29 de abril e 1º de maio, em Pequim.

De acordo com o site de notícias "Pitchfork", a banda teria sido "banida" por conta de um convite para um show de 15 anos atrás. Em 1998, o grupo estava escalado para tocar no Concerto pela Liberdade Tibetana --mas acabou nem tocando, devido a problemas meteorológicos.

Jason Szenes/Reuters
Os integrantes do grupo alemão Kraftwerk, considerado referência da música eletrônica, tiveram seus vistos para a China negados
Os integrantes do Kraftwerk, considerado referência da música eletrônica, tiveram vistos para a China negados





Enviado via iPad

0 komentar:

EUA analisam efeito de celulares sobre a saúde humana

Autoridades reguladoras dos EUA estão examinando como as frequências de rádio emitidas por celulares e outros equipamentos sem fio afetam as pessoas, em meio a persistentes preocupações sobre os riscos dessas radiações.

A Comissão Federal de Comunicações (FCC) disse na sexta-feira (29) que está solicitando pareceres de outras agências e especialistas em saúde a respeito da necessidade de atualizar seus padrões sobre a exposição aos campos eletromagnéticos dos telefones, já que eles se aplicam particularmente a crianças.

A última revisão dos padrões da FCC aconteceu em 1996, antes do uso praticamente universal dos equipamentos de telefonia celular. Mas os funcionários da agência dizem não ter razão concreta para acreditar que os atuais padrões sejam inadequados, e qualificaram como rotineiro esse procedimento, anunciado em documentos divulgados na sexta-feira pela internet.

Os cientistas ainda não foram capazes de determinar se as ondas de rádio emitidas por dispositivos móveis constituem ameaças ao cérebro e a outras partes do corpo humano, mas os estudos continuam, já que o número de dispositivos sem fio em poder dos norte-americanos, já na casa das centenas de milhões, continua crescendo.






Enviado via iPad

0 komentar:

Robert Redford atuará em novo filme de Capitão América

O ator americano e guru do cinema independente Robert Redford atuará no próximo êxito de bilheteria Capitão América, o que não significa que se tenha rendido à indústria do cinema, afirmou o ator, noticiou nesta sexta-feira o jornal Los Angeles Times.

Redford, de 76 anos, interpretará um líder do serviço secreto SHIELD em Captain America: The Winter Soldier ("Capitão América: o soldado de inverno", em tradução livre), cujo lançamento está previsto para abril de 2014, acrescentou o jornal.

– Disse-lhes que não há dinheiro nestes filmes. – brincou Redford quando consultado sobre este papel, durante evento do cinema independente em Los Angeles esta semana, relatou o Times.

Mais seriamente, o ator de Proposta Indecente e fundador do festival de cinema independente Sundance acrescentou:

– Faço este filme porque é diferente, é algo novo para mim. Gosto da ideia de pesquisar um novo território (...) Estou emocionado por isso. E também penso que há (trabalhando no filme) um montão de gente que sabe muito bem o que faz.

– É o tipo de filmes que teria gostado de ver quando era criança. – disse Redford.

O novo filme, uma sequência de Capitão América: O Primeiro Vingador (2011), voltará a ter em seu elenco Chris Evans, Samuel L. Jackson e Scarlett Johansson.

Redford, que co-estrelou Butch Cassidy and the Sundance Kid, ganhou o Oscar de Melhor Diretor em 1981 por Gente Como a Gente.






Enviado via iPad

0 komentar:

The Cure vem pela terceira vez ao Brasil para apresentações com sucessos da carreira

Com 60 músicas ensaiadas, o inglês Robert Smith, 53, promete um show de três horas de duração para os fãs cariocas do The Cure nesta quinta-feira, e paulistanos, no sábado que vem.

Mudança de local do show do The Cure e troca de ingressos deixam fãs confusos

E nada de canções desconhecidas: a turnê, que rodou a Europa no ano passado é um apanhado dos 35 anos de carreira da banda britânica.

Não que ele vá tocar as seis dezenas ensaiadas, mas, em sua última apresentação, há seis meses, na Irlanda, foram 39, começando com "Plainsong", do soturno "Disintegration" (1989), e terminando com "Killing an Arab", seu primeiro compacto, de 1978.

"Posso mudar consideravelmente um set list feito há poucos dias", disse Smith, explicando que o Cure não é uma democracia, em entrevista à Folha por telefone.

Ruben Viegas
O vocalista da banda "The Cure" Robert Smith
O vocalista da banda "The Cure" Robert Smith

Folha - Você está de bom humor hoje, para essa série de entrevistas com jornais brasileiros?
Robert Smith - Sim. Fazia bastante tempo desde que eu fiz a última série de entrevistas, então eu estou um pouco fora de forma e estou tentando me divertir com isso.

Ok. Vamos começar então pelo show. Como será o show no Brasil? Você tem uma set list cheia de hits ou você deve tocar mais canções novas?
Nós acabamos de terminar os ensaios e tocamos umas 60 músicas. Há canções lá do começo até as de hoje. Incluímos, claro, as canções mais conhecidas porque imaginamos que as pessoas querem ouvi-las. Nós ensaiamos 60 músicas, mas nós poderíamos tocar 100 músicas e ainda não tocar tudo o que as pessoas gostariam de ouvir. Eu posso olhar na internet o que as pessoas gostariam de nos ouvir tocar. Eu paro de contar quando chega a 75, porque todo mundo tem uma música favorita diferente do Cure. Nós queremos tocar tudo, mas vamos ter que deixar algo de fora. Esperamos que as pessoas fiquem felizes que tocaremos quase todos os tipos de canções do Cure dos diferentes períodos. Nós não vamos tocar do "Bloodflowers" (2000), mas vamos tocar do "Wild Mood Swings" (1996), do disco "The Cure" (2004), do "4:13 Dream" (2008). Vamos tocar as mais novas e as mais antigas também. É uma boa mistura, na verdade, o melhor set list que já tivemos.

E quem decide o set list? É toda a banda junta ou só você? O Cure é uma democracia?
O Cure é uma democracia em muitos aspectos, mas o lado criativo da banda é geralmente decidido por mim. Eu não ignoro o que o outro diz. Uma set list que foi feita há alguns dias, eu posso mudá-la consideravelmente.

"Boys Don't Cry" (1979) ainda toca nos clubes de São Paulo nos dias de hoje. É uma música que nunca parou de tocar. Como você se sente sobre essa música hoje?
Uma das primeiras que escrevi, uma das canções de mais sucesso. Eu fico surpreso de seu sucesso ter durado o tempo que está durando. Eu não me sinto a mesma pessoa que era quando escrevi. Apenas posso me lembrar daquela pessoa.

No início dos anos 1980, você se tornou guitarrista da Siouxsie and the Banshees em uma turnê. Eu queria saber por que você fez isso. Foi um trabalho por dinheiro ou você tinha razões artísticas para fazer isso?
Eu nunca ganhei um centavo para tocar com a Siouxsie and the Banshees, eles nunca me pagaram (risos). Certamente eu não toquei com eles por dinheiro. Eu tinha uma amizade com a Siouxsie Sioux naquela época e eles precisaram de um guitarrista. Foram três meses. E nós fizemos o que queríamos fazer. Foi ótimo.

Você acha que ao assistir Siouxsie no palco sua persona mudou? Ela te inspirou de alguma maneira?
Em alguns aspectos sim. A primeira vez que subi no palco como guitarrista deles foi em 1979, no Reino Unido. Eu subia no palco com o Cure, que era a banda de abertura, tocava com a minha banda, ficava fora do palco por 20 minutos e voltava novamente para tocar com o Siouxsie and the Bashees. Eu assistia ao que eles faziam, eles estavam à nossa frente porque começaram antes da gente. Eles eram muito mais agressivos no palco, mais violentos. E eu não queria ser daquele jeito, não era a minha natureza. Mas eu gostava dessa diferença de performance.

Isso me ensinou muito, eu era alguns anos mais novo que eles, então foi um bom jeito de aprender. Mas talvez eles não tenham tido um impacto dramático no Cure. Provavelmente me ajudou a definir o meu objetivo do que eu me tornaria. Eles tinham uma ideia muito distinta do que queriam ser. E eu também. Mas nossas visões eram muito diferentes.

Há cerca de 10 anos, você fez alguns shows mostrando o conteúdo completo de três álbuns: "Pornography" (1982), "Disintegration" (1989) e "Bloodflowers" (2000). À época, você declarou que esses eram os três melhores álbuns da banda. Você ainda acha isso?
Bem, era 2002 e nós tocamos muitos shows. Nós fizemos o disco "Bloodflowers" e o tocamos ao redor do mundo. Nós não viemos à América do Sul, mas nós fomos em vários países e tocamos esse disco bastante. No final da turnê, eu achei que o disco era muito melhor do que o que eu achava no começo. Eu achava que as músicas eram boas e eu estava muito orgulhoso dele.

Já o "Pornography" é uma espécie de marco da nossa carreira, que começou o movimento do Cure. Foi aclamado pela crítica e pelo público e marcou o pico da nossa curva comercial. É um álbum que ficou gravado na consciência coletiva.

Então eu acho que se o "Bloodflowers" tivesse sido lançado em 1982 ou em 1989, teria o mesmo impacto. Mas, como já foi nos anos 2000, não teve o mesmo impacto cultural. Em 2001, eu vi que algumas das músicas desse álbum eram melhores que as outras. Eu escrevi as músicas do "Pornography" quando tinha 20 e poucos, tinha acabado de completar 21. No "Disintegration", eu tinha de 29 para 30 anos. No Bloodflowers, eu tinha de 39 para 40.

Eles todos foram muito pessoais para mim e eu queria conectá-los de alguma maneira em um show. Eu queria tocá-los mais e mostrar a conexão entre eles, que não é tão óbvia. Mas talvez seja o coração do Cure. Se você quiser conhecer o outro lado do Cure --não o lado pop, não os vídeos ou o lado popular que a maioria das pessoas conhece, como "Lovecats" e "Boys Don't Cry"--, se você quiser realmente entender o Cure, você tem que ouvir esses três álbuns. Eles são o coração do Cure. E eu queria que eles fossem gravados. Então nessa turnê nós fizemos o DVD e foi uma das melhores coisas que fizemos, um dos melhores recordações da banda.

Nós devemos esperar por algumas das canções desses álbuns no show do Brasil?
Tocaremos muitas músicas do "Disintegration", e uma mão cheia do "Pornography", mas não teremos nenhuma do "Bloodflowers." É o único álbum que não tocaremos nada. É muito difícil colocar as músicas do "Bloodflowers" em uma set list que tem músicas animadas, pra cima. É uma coisa muito estranha, e nós já tentamos incluir umas duas, mas elas soam muito diferente e simplesmente não funcionam. Elas são muito diferentes.

Você leu a biografia do Neil Young?
Não. Mas eu vou encontrá-lo em dois meses.

No livro, nós vemos que ele curte carros antigos e trenzinhos elétricos. Em que você investe o seu tempo e dinheiro, Robert? Você tem algum hobby como ler gibis ou colecionar carros?
Eu costumava ler histórias em quadrinhos quando era jovem. E eu sempre falei que. quando me aposentar. eu vou reler todas as minhas HQs que li quando era adolescente para ver se elas terão o mesmo efeito em mim.

Eu não sei o que faço! Eu vivo uma vida bem normal quando não estou com o Cure. Eu tenho lido muito. Eu li mais nos últimos dois anos do que li em uma década. Quando estou bem envolvido com o mundo da música eu sinto que não leio tanto quanto gostaria. Eu me dei conta de que tinha uma pilha de livros enormes esperando por mim, 70 livros que eu não havia lido. Eu fico comprando livros que me interessam e não leio.

No último ano, fui a lugares na Inglaterra que nunca havia pisado antes. É engraçado pensar nisso, que eu já fui a tantos lugares no mundo, mas que há lugares na Inglaterra que eu não fui. Tenho viajado, então, bastante dentro do país. E fora também. Por mais que nós não toquemos como antes, o Cure é uma banda ativa. Nós últimos dez anos, só não tocamos em um. Então, no final das contas, não tem tanto tempo livre assim.

Você assistiu ao filme de Paolo Sorrentino "Aqui é o meu Lugar", com Sean Penn no papel de um cantor de rock? O look dele era inspirado no seu. O que você achou?
Eu não vi o filme. Eu soube dele quando ainda estava sendo filmado. O Sean Penn não se parece muito comigo. Eu não sei, eu ainda não vi. Eu realmente não posso comentar, não tenho ideia. Obviamente a história não tem nada a ver comigo, nada do personagem tem a ver com a minha vida.

De toda maneira, o look foi inspirado em você. Você viu as fotos de Sean Penn?
Sim, eu vi as fotos. É isso o que eu estou dizendo, as feições do Sean Penn não se parecem nada com as minhas. O fato de ele usar pulseira com spikes, uma peruca e batom não faz com que ele se pareça com Robert Smith. Eu tenho as feições mais delicadas e ele tem feições muito grandes e distintas. Mas, sim, eu fico lisonjeado. Mas eu não vi o filme ainda e terei de assistir para comentar.

Quando você veio ao Brasil pela primeira vez, no meio dos anos 1980, eu estava lá e assisti ao seu show em São Paulo. Eu era um adolescente. Naquela época, nós meio que fazíamos uma conexão entre o Cure e os Smiths. Essas duas bandas eram muito similares para nós porque de alguma maneira elas simbolizavam o novo rock inglês. Mas eu nunca vi nada sobre as duas bandas trabalhando juntas, nem mesmo se eram inimigas no estilo "britpop", como o Blur e o Oasis, por exemplo. Então, eu não sei se vocês eram amigos ou o quê e se essa percepção que nós brasileiros tínhamos fazia algum sentido. Há alguma conexão entre The Cure e The Smiths?
Eu nunca pensei em nada disso naquele momento. Tínhamos mais ligação com Echo and the Bunnymen, o New Order e Siouxsie and the Banshees. Essas eram as bandas com quem tínhamos a ver. Nunca houve nenhuma conexão com os Smiths. O Morrissey ficou muito magoado algumas vezes no passado e, no final, eu revidei na imprensa, o que desencadeou uma rixa que durou por uns dois anos.

Eu simplesmente nunca me conectei com eles. E isso não é uma crítica, é apenas um fato: algumas pessoas gostam, e outras pessoas não sacam. Eu sou uma das pessoas que não sacou.

Ouvi dizer que o clipe de "Lovecats" foi feito em uma casa que estava para alugar. Vocês pegaram a chave na imobiliária para visitar e gravaram lá. Isso é verdade?
Sim. A gente não tinha dinheiro o suficiente. Nós pegamos as chaves às 16h e falamos que devolveríamos na manhã seguinte, o que de fato fizemos, às 7h15.

Uma coisa que eu acabei de ler e gostaria de saber se é verdade: quando você era adolescente, você foi à escola com um vestido de veludo preto e apanhou de quatro garotos. Isso é verdade?
Sim, é verdade. Eu fiz isso por causa de uma aposta. Um amigo falou que eu não teria coragem e eu fiz.

Era um vestido da sua mãe?
Exatamente. Era um dos vestidos de noite dela. Eu mudei de roupa no meio da rua e fui pra escola andando. Foi engraçado porque teve um efeito muito grande. Quatro garotos foram me bater, e eu não era bom de briga.

Quantos anos você tinha?
Acho que uns 12.

O que você aprendeu com isso?
Eu estava passando por um período de mudanças e começando a me encontrar como pessoa, no mundo. Eu acho que eu estava com raiva da força bruta. Eu achava que nós vivíamos em um mundo bruto, arbitrário, e estava ressentido com isso. Estava tentando provar que havia espaço para coisas diferentes. Obviamente, não funcionou. Mas eu provei que era capaz de fazer algo diferente. Na época, havia umas cinco pessoas que foram muito compreensivas e me ajudaram.

Minha mãe acabou descobrindo porque eu devolvi o vestido num estado terrível. Eu tive que explicar de alguma maneira. Então, é, acho que eu olho para trás e vejo que se alguém diz que você não faria uma coisa e eu digo que faria, você não pode voltar atrás. Eu não sei, provavelmente eu faria a mesma coisa hoje.

Robert, obrigado e espero que você tenha um bom show no Brasil.
Eu estou muito animado. Mesmo sem você ser um adolescente, você deveria ir e reencontrar o seu jovem eu novamente.






Enviado via iPad

0 komentar:

Los vikingos 'emergen' de los glaciares por el calentamiento global

Los científicos han podido determinar que la túnica es del año 300 d.C. gracias a la prueba del carbono 14, la técnica de datación más fiable conocida hasta ahora para establecer la edad de muestras orgánicas de menos de 45.000 años. La datación revela que el glaciar no había sido tan pequeño desde hace unos 1.700 años. 
 
Además de esta pieza, un guante y un bastón vikingos, un zapato de cuero de la Edad de Bronce y antiguos arcos y cabezas de flechas, son algunos de los restos arqueológicos que el deshielo de los glaciares está permitiendo encontrar.

“Es preocupante que los glaciares se estén derritiendo, pero para los arqueólogos es emocionante", declaró Lars Piloe, arqueólogo danés, durante la presentación de la túnica previkinga, después de que los científicos revelaran su antigüedad. 

 “La túnica estuvo bien aprovechada: fue remendada varias veces”, dijo Marianne Vedeler, una  conservadora del Museo de Historia Cultural de Noruega, que añadió que su longitud revela que fue probablemente confeccionada para una persona de 1,76 metros de altura. 

0 komentar:

Agentes "compram" audiência nas redes sociais para valorizar artistas, diz blog

Uma investigação conduzida pelo blog "Newsbeat", da BBC, revelou que agentes de grupos musicais têm "comprado" estatísticas de audiência nas redes sociais para aumentar sua influência. Os números incluiriam quantidades de visualizações no Youtube, seguidores no Twitter e de "likes" no Facebook.

De acordo com o blog, é possível comprar cerca de 10 mil visualizações em um vídeo do Youtube por cerca de R$ 89. Haveria, inclusive, um mercado de compra de comentários de fãs, para que os números pareçam mais autênticos.

Uma empresa americana que monitora dados virtuais revelou ter uma lista de artistas suspeitos de comprar estatísticas de compartilhamento de conteúdo em redes sociais para aumentar sua popularidade nas gravadoras e nas rádios.

Artistas como Justin Bieber e Conor Maunard, por exemplo, foram descobertos pelas gravadoras após conseguirem milhões de visualizações em seus vídeos compartilhados na internet.

Em nota, o Twitter afirmou que manipular os números de seguidores de perfis vai contra as regras do microlog. "O Twitter faz varreduras constantes em seus servidores para verificar fraudes do tipo e se reserva no direito de excluir usuários, caso descubra irregularidades."

Responsáveis pelo Facebook disseram ao "Newsbeat" disseram que também pretendem excluir da rede social qualquer usuário que altere o número de "likes" em suas postagens com fins lucrativos. Eles aconselham também os usuários que receberem ofertas de dinheiro para "curtir" um determinado comentário a denunciarem o proponente.

Já o YouTube concorda que manipular a audiência de um vídeo vai contra a política do site, mas pode acontecer. O site estimula a denúncia desses usuários e promete puní-los com a exclusão. 




Enviado via iPad

0 komentar:

Boas notícias superam as ruins nas redes sociais

Más notícias vendem. Se há sangue, há destaque. Ausência de notícia é uma boa notícia, e boas notícias não são notícia.

Essas são as regras clássicas para a programação noturna de TV e para os jornais da manhã, baseando-se parcialmente em estatística (audiência e circulação) e parcialmente nos instintos selvagens dos produtores e dos editores. Guerras, terremotos, pragas, alagamentos, incêndios, crianças doentes, cônjuges assassinados --o sofrimento e o caos são proporcionais à cobertura jornalística.

Mas agora que a informação está sendo espalhada e monitorada de diferentes maneiras, pesquisadores estão descobrindo novas regras. Examinando o cérebro das pessoas e rastreando seus e-mails e suas postagens on-line, neurocientistas e psicólogos descobriram que boas novas podem se espalhar mais rapidamente e chegar mais longe que desastres e narrativas convulsivas.

Viktor Koen/The New York Times

"A regra 'se há sangue' funciona para a mídia de massa que simplesmente deseja que você sintonize", diz Jonah Berger, psicólogo social da Universidade da Pensilvânia. "Eles querem seus globos oculares e não ligam para como você está se sentindo. Mas quando você compartilha uma mensagem com seus amigos e parentes, você se preocupa muito mais com como eles reagirão. Você não quer que você seja a Debbie Downer [antiga personagem do programa Saturday Night Live que interrompia conversas com opiniões negativas, para desânimo geral]."

Pesquisadores, ao analisar comunicação pessoal (como e-mails, postagens na web e conversas face a face) descobriram que ela tende a ser mais positiva que negativa, mas isso não necessariamente significa que as pessoas preferem boas novas. Seriam as notícias positivas mais compartilhadas simplesmente porque as pessoas sentem-se melhor ao recebê-las?

Para averiguar essa possibilidade, o doutor Berger observou como as pessoas espalham um determinado conjunto de notícias: os milhares de artigos do site do "New York Times". Ele e Katherine Milkman, colega de universidade, analisaram a lista de artigos mais enviados durante seis meses, comparada a fatores como o destaque dessas reportagens na página inicial do site.

Uma de suas primeiras conclusões a serem divulgadas --que eu ainda considero o mais importante descobrimento sociológico do século passado-- foi que artigos e colunas da seção de ciência eram muito mais propícias ao envio por e-mail do que os demais. Ele descobriu que a ciência despertava um sentimento de deslumbramento, o que levava os leitores do "Times" a compartilhar esta emoção positiva com outros.

TRISTEZA NÃO TEM VEZ

Os leitores também tendiam a compartilhar artigos empolgantes ou engraçados, e também os que inspiravam emoções negativas como indignação ou ansiedade, mas não os que causavam meramente tristeza. Havia a necessidade de os leitores serem estimulados de uma maneira ou de outra, e eles preferiam notícias boas às ruins. Mais intenso o caráter positivo de uma reportagem, maior a chance de ela ser compartilhada, como Berger explica em seu novo livro, "Contagious: Why Things Catch On" ("Contagiante: por que as coisas pegam").

"Histórias de gente chegando em Nova York e se apaixonando pela cidade", escreve o pesquisador, têm chance maior de serem enviadas do que "textos que detalham a morte de um popular funcionário de zoológico." Debbie Downer não é páreo para Polly Positive (algo como "Patrícia Positiva"), pelo menos entre os leitores do "Times".

Em outra tentativa de entender o que é digno de burburinho, neurocientistas examinaram o nível de atividade do cérebro de pessoas enquanto elas ouviam novas ideias. Então, observavam quais delas eram passadas para a frente.

Você poderia imaginar que as pessoas contavam as ideias mais memoráveis --as que geraram maior atividade na região responsável pelo processamento e pelo acesso das memórias. Mas isso não é o que aconteceu durante os experimentos, conduzidos por Emily Falk junto de colegas na Universidade de Michigan e pesquisadores na Universidade da Califórnia, Los Angeles.

As ideias que foram contadas ativavam outras regiões cerebrais: as associadas à cognição social --pensamentos sobre outras pessoas. Se essas regiões eram acionadas quando algo era ouvido, as pessoas ficavam mais propensas a falar entusiasticamente sobre a ideia, e ela continuaria a ser espalhada.

"Poder-se-ia esperar que pessoas se empolgassem mais em espalhar ideias que lhes entusiasmam", diz Falk. "Mas nossa pesquisa sugere que essa não é a história toda. Pensar sobre o que poderia chamar a atenção das outras pessoas pode ser ainda mais importante."

EU, EU E EU

Esta consciência social vem ao caso quando pessoas estão compartilhando informações sobre seu artigo preferido entre todos: eles próprios. Isso é intrinsecamente aprazível e ativa as regiões do cérebro associadas a recompensas como comida, como foi demonstrado em um estudo por Diana Tamir e Jason Mitchell, de Harvard. Na verdade, o estudo mostra, isso é tão prazeroso que pessoas podem abrir mão de dinheiro em nome de falar sobre si mesmas.

Pesquisas anteriores acerca das conversas corriqueiras mostraram que um terço delas é dedicado a si próprio, mas hoje tal tópico se tornou uma obsessão, graças às redes sociais. Pesquisadores da Universidade Rutgers classificam 80% dos usuários do Twitter como personas virtuais cujo assunto principal é "tudo sobre mim".

O resultado é ainda mais "Patrícia Positiva", e não só porque as pessoas são contumazes adeptas do que os psicólogos chamam de "self-presentation" (autoapresentação): apontar sua própria maravilha. Enquanto as pessoas sempre disseram coisas boas sobre si em conversas tradicionais e deixaram os comentários pejorativos para outros, hoje elas se mostram muito mais meticulosas quando divulgam textos por e-mail, Facebook e Twitter.

Na maior parte das conversas orais, não temos tempo de pensar na coisa correta a dizer", diz Berger. "Preenchemos as lacunas conversacionais com o que está na superfície da consciência. Mas, quando você está escrevendo algo, você pode tardar para construir e refinar o que vai dizer, assim isso contém uma melhor apresentação de si mesmo."

Os experimentos de Berger mostraram que as pessoas dizem mais coisas positivas quando estão falando a um público maior, em vez de somente uma pessoa --um resultado que ajuda a explicar as viagens perfeitas que aparecem incessantemente no Facebook.

MUNDO INJUSTO

Mas todas essas coisas boas fazem, de fato, com que a plateia se sinta melhor? Não necessariamente. Um estudo da Universidade do Vale de Utah mostrou que quanto mais tempo uma pessoa passa no Facebook, mais ela pensa que a vida é injusta e que ela é menos feliz que seus "amigos".

Resultados parecidos foram observados em uma pesquisa realizada na Alemanha por um time liderado por Hanna Krasnova, que recentemente relatou "inveja de natureza rampante" e outras "emoções invejosas" entre os usuários mais frequentes do Facebook.

"A presença ubíqua da inveja em redes sociais compromete a satisfação dos usuários em relação à vida", concluem os pesquisadores alemães, descrevendo esse fenômeno como a "espiral de autopromoção e inveja."

Esse vórtice dificilmente soa como uma tendência positiva, mas há provavelmente uma maneira rápida de revertê-la: ligar a TV. Os produtores e os editores de meios de comunicação de massa sempre souberam uma maneira de amenizar a inveja. Depois de eles vasculharem o planeta para canalizar calamidade e caos até a sala de estar, até mesmo o mais miserável habitante de sofá saberá que há alguém, em algum lugar, em situação pior.

Tradução de YURI GONZAGA




Enviado via iPad

0 komentar: