The Elder - O Álbum 'Maldito' do Kiss


'Roubado' do Whiplash. Comentários abaixo do texto.

The Elder (KISS): obra-prima injustiçada

O ano era de 1981 e o KISS vinha totalmente desacreditado ao estúdio para gravar seu novo álbum. Totalmente execrado pela crítica e por grande parte de seu público com seu último álbum na época, “Unmasked”, a banda queria demonstrar um amadurecimento até então inimaginável.

A crítica, que já não demonstrava morrer de amores pelo Kiss, passava a criticar a banda duramente, dizendo inclusive que toda aquela parafernália de produção de palco, efeitos, maquiagem, roupas espalhafatosas e tudo o mais, na verdade tinha o objetivo de esconder a fragilidade de seus integrantes enquanto músicos. O resultado disso foi que a banda resolveu produzir um material que tivesse qualidade técnica, instrumental e lírica suficientes para calar seus detratores e provar ao mundo sua competência. Começava a se criar então aquele que deve ter sido o mais criticado, o que mais dividiu opiniões e, pra muita gente, o mais injustiçado disco da carreira da banda, o álbum “(Music From) The Elder”.

Com o baterista Eric Carr, que já havia cumprido a turnê anterior, a postos no lugar de Peter Criss, a banda se cercou do produtor Bob Ezrin (que havia produzido seu melhor disco, “Destroyer”, além de ter trabalhado ao lado de Alice Cooper e Pink Floyd) e de um convidado especial como co-autor em algumas faixas... Ninguém menos que Lou Reed!

Nascia assim (Music From) “The Elder”, uma trilha sonora de um suposto filme medieval que claro, nunca existiu.

As ambições para esse disco, assim como quase tudo no Kiss, eram imensas. Partindo de uma história imaginada por Gene, o álbum foi criado com aspirações de ser a obra-prima da banda, um trabalho conceitual com influências e elementos progressivos.
De cara, já nos espantamos com a abertura do disco, com “Odyssey” e “Just a Boy” mostrando o KISS tocando rock... Progressivo! Isso mesmo! Inacreditável!

Adiantando o álbum, vemos ainda “Only You”, com Gene Simmons e uma linha vocal bem diferente; mas enfim, as guitarras apareciam... “Under the Rose” e seu refrão medieval, orquestrações, violões de 12 cordas, percussões e muito mais.

“Dark Light”, cantada pelo guitarrista Ace Frehley, com um solo pra lá de inspirado, é fantástica! A pesada “The Oath”, com um riff de guitarra excepcional, a sinistra “Mr. Blackwell”, a instrumental “Escape From The Island”, e a faixa de encerramento, totalmente KISS “I”, fazem do álbum um verdadeiro clássico.

"A World Without Heroes" é o carro-chefe, com direito a video clip promocional.
Na época, obviamente, todo fã que se prezasse, odiou! Mas passado algum tempo, talvez com estes mesmos fãs mais velhos e mais entendedores de música, percebemos que esse na verdade é o album mais adulto do Kiss, o mais trabalhado e um dos melhores, embora sua sonoridade fuja totalmente do padrão. E não poderia ser diferente, pois, como já vinha acontecendo, alguns músicos não pertencentes à banda participaram da gravação. Ace Frehley só gravou guitarra mesmo em “Dark Light” e fez uma ou outra base.

Assim sendo, o álbum foi o único da banda a não atingir disco de ouro, injustiçadamente, é claro. E nem a banda fez turnê para promovê-lo. Mas, mesmo assim, é altamente recomendável, especialmente pra se ver do que uma banda é capaz quando quer fugir do marasmo...


Rara apresentação do Kiss tocando a música
The Oath do álbum (The Music From) The Elder.



Just a boy - clip feito por fã. Muito legal.


Just a boy ao vivo. Curtinha mas arrepiante. Como o pessoal canta!
Tô dizendo, The Elder envelheceu bem :)

Nota da Fê:
Dando uma fuçada no YouTube dei de cara com algo curioso: um clipe chamado 'The Elder' com cenas do filme Dragonslayer e trilha sonora by o álbum motivo deste post.

The Elder
é um velho conhecido meu [creio que ainda tenho o LP].
Meu irmão o comprou nos anos 80 por pura curiosidade. Sabem como é, um disco 'maldito' e 'renegado' do Kiss é algo digno de se ouvir. Ainda mais quando tal álbum é considerado 'progressivo'.

Não diria que é uma obra-prima, mas com certeza, é sim um álbum injustiçado. O grande problema dele, como o texto acima citou, foi ser do Kiss. Ninguém esperava algo assim deles. E depois com toda a produção que teve, a decepção foi ainda maior.

Mas o tempo tem o dom de muitas vezes melhorar as coisas [o vinho que o diga!] e eu acho que ele fez bem a The Elder. Hoje ele tem mais cara de 'RPG' [com direito a efeitos sonoros e narrações muito antes de Rhapsody e companhia... rs] e pode agradar mais as novas gerações.

Eu gosto do álbum. Algumas canções são ótimas. Eric Carr talvez tenha sido o melhor baterista que o Kiss teve [um pecado seu trágico fim]. A banda deu duro nesse álbum e na minha opinião fez um bom trabalho. Talvez o mundo não estivesse preparado para The Music from The Elder em 1981.

Enjoy! ;)

PS1: A banda e metade dos seus fãs odeiam esse disco, a outra metade ama. rs..
PS2: The Elder era originalmente um projeto megalomaníaco que incluía um filme, na realidade ele seria a trilha sonora deste filme, mas nunca foi realizado.

Comentários

Postagens mais visitadas