Para gostar de rock progressivo

Nota da Fê: Pessoalmente tiraria umas e colocaria outras bandas, mas é realmente muito difícil fazer uma lista dessas. Sempre irão faltar bandas. Afinal, gosto pessoal é uma coisa muito subjetiva. Boas indicações. Grandes bandas sem sombra de dúvida.

=======================

Nesse ano de 2009 o Yes, uma das principais bandas do rock progressivo britânico completa 40 anos do lançamento de seu primeiro álbum. Por essa e outras razões, resolvi fazer uma lista com alguns discos que considero essenciais para se conhecer melhor o estilo de rock progressivo.

Fiquei mais animado ainda para fazer essa lista quando ouvi o novo CD da banda norte-americana The Dirty Projectors, uma garotada nova do Brooklyn, em Nova York . Em seu recém- lançado CD "Bite Orca", o Dirty Projectors me fez lembrar bastante a dinâmica musical do Yes. Os arranjos de guitarra e baixo desse disco tem a cara dos guitarristas do Yes, Peter Banks e Steve Howe, e do baixista Chris Squire.

Voltando ao Yes, por muito tempo durante a década de 70 eles eram minha banda favorita de rock progressivo. Muita gente despreza os dois primeiros discos do Yes, mas eu os considero obras-primas. A formação ainda não era aquela clássica com Rick Wakeman nos teclados e Steve Howe na guitarra. A primeira formação do Yes trazia Peter Banks na guitarra e Tony Kaye no teclado ao lado dos fundadores Jon Anderson nos vocais e Chris Squire no baixo. A partir do terceiro disco o "Yes Album", de 1971, Steve Howe assume as guitarras. No álbum seguinte, Rick Wakeman entra para os teclados substituindo Tony Kaye e o sucesso do Yes explode mundialmente. É claro que o primeiro disco dessa lista é do Yes.

YES - CLOSE TO THE EDGE (1972)
Dois discos do Yes marcaram a minha vida, o primeiro foi "Fragile", de 1972 e o segundo foi esse "Close to The Edge", do mesmo ano. Imaginem uma banda lançar dois álbuns históricos num mesmo ano. Foi assim o auge criativo do Yes. Não parou por aí, vieram o triplo ao vivo "Yessongs", em 1973, o duplo "Tales From Topographic Oceans", de 1974 e o maravilhoso "Relayer", de 1974. Apesar das mudanças na formação, o Yes procurou se manter conectado ao seu tempo, sempre inovando, mas essa primeira fase até 1974 é imbatível.

PINK FLOYD - Wish You Were Here (1975)
O rock progressivo foi uma corrente que surgiu durante o movimento do rock psicodélico na década de 60. Muitas bandas emergiram dessa onda misturando rock com música clássica e sinfônica como, The Nice, Procol Harum e Moody Blues. No início dos anos 70, o rock progressivo ganhou força comercialmente com Emerson Lake & Palmer, Yes, Jethro Tull,King Crimson e o Pink Floyd. Um ótimo exemplo de banda que veio da onda psicodélica dos anos 60 e partiu para o rock progressivo é, sem dúvida, o Pink Floyd. O álbum "Dark Side Of The Moon", de 1973, é outro grande marco da história, não só do rock progressivo, mas de toda história do rock and roll. Para não chover no molhado, resolvi listar "Wish You Were Here" de 1975, outra maravilha, porém, obras anteriores merecem ser citadas como, "Ummagumma" (1969), "Atom Heart Mother" (1970) e "Meddle"(1971). Muita gente aprendeu a gostar de Pink Floyd a partir do mega sucesso "The Wall", de 1979, mas vale a pena voltar no passado e descobrir as verdadeiras perolas floydianas.

GENESIS - selling england by the pound (1973)
São quarto grandes álbuns do Genesis durante o início dos anos setenta, começam em 71, com "Nursery Crime", em seguida "Foxtrot" (1972). Em 1973 veio o grande sucesso comercial de "Selling England By The Pound", muito graças ao hit "I Know What I Like (In Your Wardrobe). Como se não bastassem essas três obras-primas, em 1974 o Genesis surpreende novamente com o álbum duplo "The Lamb Lies Down On Broadway", o último com o espetacular vocalista Peter Gabriel, que depois partiu para uma brilhante carreira solo. O baterista Phil Collins assumiu os vocais e a banda conseguiu outros grandes êxitos, mas assim como o Yes, essa primeira fase do Genesis continua imbatível.

VAN DER GRAAF GENERATOR - Pawn Hearts (1971)
Eles não fizeram tanto sucesso como Genesis ou Emerson Lake & Palmer, mas lançaram uma série de discos essênciais para o rock progressivo, a partir de 1969. O genial Peter Hammil não teve a sorte e a fama de um Peter Gabriel, mas seu trabalho será eternamente reconhecido.O álbum "Pawn Hearts" tem apenas três músicas, cada uma com mais de 10 minutos de duração. Essa era uma característica do estilo, não haviam limites para criação e, totalmente contrários às raízes do rock and roll, nada se resolvia em menos de três minutos, tudo se estendia como se fosse uma peça em vários movimentos.

JETHRO TULL - Thick as a Brick (1972)
Uma das mais carismáticas bandas do rock progressivo sem dúvida é o Jethro Tull, graças a seu vocalista e flautista Ian Anderson. A presença marcante desse genial performer conquistou o mundo a partir do primeiro álbum "This Was", em 1968. Na sequencia só vieram clássicos: "Stand Up"( 1969), "Benefit" (1970), "Aqualung" (1971) e culminando nesse épico "Thick as a Brick". Misturando as influências da música folk britânica e o hard rock, o Jethro Tull conseguiu os melhores resultados. Animados com o sucesso dessa quase ópera rock do progressivo, eles ainda fizeram em 1973 o álbum "A Passion Play", nos mesmos moldes, e seguidos por "War Child", em 1974, "Minstrel In The Gallery" , em 1975, e "Too old to Rock and Roll: Too Young To Die" (1976). Mais um grupo que pertence àquela impecável primeira fase, isso não quer dizer que o Jethro Tull não continuou fazendo grandes discos, mas convenhamos, esses primeiros dez anos do Jethro Tull são definitivos.

CAMEL - Mirage (1974)
Dentro do gênero do progressivo sinfônico, a banda inglesa Camel fez uma série de bons discos a partir de 1973. Além desse "Mirage", também recomendo o fantástico álbum instrumental "The Snow Goose" (1975), "Moonmadness" de (1976) e "Rain Dances" (1977). Esses três álbuns citados tiveram suas edições remasterizadas com faixas bônus neste ano de 2009, vale a pena conferir.

KING CRIMSON - int he court of the crimson king (1969)
Esse é mais uma daquelas obras-primas irretocáveis, a começar pela chocante ilustração de capa. Uma das obras mais inspiradas do rock progressivo, muito se deve à guitarra do gênio Robert Fripp e os vocais e baixo de Greg Lake (também do Emerson, Lake & Palmer). Nesse caso, temos um exemplo de banda progressiva que atravessou décadas sempre inovando. Robert Fripp é um dos caras mais criativos da história dos grandes guitarristas. Tá certo que ele nunca teve o reconhecimento de um Frank Zappa ou Jimi Hendrix, mas conseguiu um status de figura cult nesse cenário. De 1969 a 1974, o King Crimson era considerado um dos grupos mais inovadores do gênero progressivo. A partir de 1981, com o álbum "Discipline", o King Crimson se tornou uma banda não somente progressiva, mas experimentando outras tendências e agregando outros elementos para sua música. Isso garantiu longevidade para o grupo que tem uma das mais extensas discografias ao vivo.

PREMIATA FORNERIA MARCONI - Per um Amico (1972)
O estranho nome veio de uma padaria italiana que os patrocinou no início da carreira. O álbum "Per um Amico" foi o primeiro disco do Premiata Forneria Marconi, que mais tarde graças ao selo Manticore, do Emerson, Lake & Palmer conseguiram projeção mundial. A partir daí, todos começaram a se interessar pelo rock progressivo italiano e uma série de boas bandas apareceram como, Area, Banco Del Mutuo Soccorso, Le Orme e Museo Rosenbach, dentre outras.

GENTLE GIANT - In a Glass House (1973)
Da mesma safra de Yes, King Crimson e Emerson Lake & Palmer, vieram os três irmãos Schulman (Phil, Derek e Ray) e formaram mais uma das essenciais bandas britânicas do rock progressivo, o Gentle Giant. Os cinco primeiros discos do grupo são obrigatórios para quem quer conhecer melhor a banda. "In a Glass House" é o quinto trabalho do Gentle Giant. Em 1975, a banda lança "Free Hand" outro altamente recomendável.

RUSH - Moving Pictures (1981)
Confesso que nunca morri de amores pelos canandenses do Rush, mas reconheço a importância deles para o rock progressivo. Outras duas bandas que eu também nunca consegui engolir no estilo foram Marillion e Dream Theater, mas também ressalto a importância desses grupos. Do Rush ainda destaco mais três álbuns "Hemispheres", de 1978, "A Farewll to Kings", de 1977 e o ao vivo "Exit... Stage Left", de 1981.

EMERSON, LAKE & PALMER - Brain Salda Surgery (1973)
O trio mais badalado rock progressivo, trazia três grandes músicos, Keith Emerson e suas peripécias nos teclados, Carl Palmer, um dos melhores bateristas de todos os tempos, e Greg Lake, baixista e uma das mais belas vozes do rock progressivo depois de Jon Anderson, do Yes. Um dos méritos do ELP era transformar peças clássicas em rock progressivo, o álbum "Pictures At Na Exhibition", de 1972, é um bom exemplo. No mesmo ano, o trio lançava outro grande disco "Trilogy". Em 1973, com "Brain Salad Surgery", o grupo chegava ao auge do sucesso.

Na década de 70, os alemães criaram uma cena vanguardista e deram o nome de kraut-rock, uma extensão do rock progressivo, que expandia as possibilidades sônicas do gênero, agregando elementos mecânicos e eletrônicos ao estilo. Surgiram nomes hoje cultuados como, NEU!, Faust, Can. Popol Vuh, Guru Guru, Amon Duul, Cluster e Kraftwerk.

Segue uma lista de mais alguns discos recomendáveis do rock progressivo e do kraut rock:

KRAFTWEK - AUTOBAHN - 1974

NEU! - 1972

FAUST - 1971

CAN - FUTURE DAYS - 1973

AMON DULL II - PHALLUS DEI - 1969

POPOL VUH -IN DEN GARTEN PHARAOS -1972

GONG - RADIO GNOME INVISIBLE - 1973

SOFT MACHINE - THIRD - 1970

DREAM THEATER - IMAGES AND WORDS - 1992

MARILLION - SCRIPT FOR A JESTER´S TEAR - 1983

CARAVAN - IN THE LAND OF GREY AND PINK - 1971

MIKE OLDFIELD - TUBULAR BELLS - 1973

FOCUS - HAMBURGER CONCERTO - 1974

RENAISSANCE - ASHES ARE BURNING - 1973

THE MOODY BLUES - DAYS OF FUTURE PASSED - 1967

TRIUMVIRAT - MEDITERRANEAN TALES - 1972

NEKTAR - A TAB IN THE OCEAN - 1972

APHRODITE´S CHILD - 666 - 1972

KANSAS - LEFTOVERTURE - 1976



Kid Vinil é músico, jornalista e radialista. Fez parte do grupo Magazine, apresentou e produziu programas de rádio na 89FM e Brasil 2000. Apresentou o programa "Lado B", na MTV. Foi Diretor Artístico Internacional das gravadoras Eldorado e Trama.



http://br.noticias.yahoo.com/s/10062009/48/entretenimento-gostar-rock-progressivo.html

Comentários

  1. É, o Kid Vinil conhece. Mas não incluir nessa lista o Prisma (The Dark Side Of The Moon) só pode ser por pura teimosia!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas