Indignação com DVDs de Battlestar Galactica


Ainda falando em Battlestar Galactica...

Os fãs aqui no Brasil andam indignados com Universal. Os motivos?
Leia abaixo. Retirado do site scoretrack.net.

Para os fãs de boas séries de TV, e de ficção científica em particular, o lançamento da primeira temporada de Battlestar Galactica no Brasil, num box com cinco DVDs, teria tudo para ser comemorado. Mas infelizmente a Universal fez mais uma trapalhada e acabou disponibilizando no mercado brasileiro um lançamento tosco, típico de Terceiro Mundo. A embalagem repete o padrão de vários outros lançamentos do gênero - digistak, com uma luva de cartolina por fora. O problema são as informações equivocadas que ela traz, como 775 min. de duração ao invés dos efetivos 751 min., e extras que, na maioria, não estão no box. Além disso, a embalagem omite por completo o conteúdo do disco 1 (apenas lista os episódios dos outros discos), que traz a minissérie-piloto na forma de um longa-metragem de 182 minutos, que foi lançado aqui ano passado num DVD à parte. Na verdade este é exatamente aquele mesmo disco: os feios menus estáticos em inglês, as especificações (vídeo widescreen anamórfico 1.77:1, áudio DD 5.1 em inglês e japonês, etc.) e o material suplementar (o documentário The Lowdown), é tudo igual. O único trabalho da distribuidora foi mudar o rótulo do DVD, para deixá-lo igual aos outros da caixa. A imagem é por vezes granulada, com cores esmaecidas, mas acredito que seja assim por opção criativa. A série busca ter um visual documental, estilo “cinema-verdade” – tanto que, nas cenas de combate espacial, a imagem por vezes perde o foco ou fica tremida, como se o cinegrafista estivesse registrando tudo ao vivo. Quanto ao áudio 5.1, o canal de graves é freqüentemente acionado, a música, bem distribuída, e os diálogos são na maior parte das vezes bem claros. Os efeitos surround não são espetaculares, mas colaboram para criar uma ambientação sonora realista, à altura dos visuais. Temos legendas em português, inglês, espanhol e japonês.

Mas passando para os quatro discos restantes, temos algumas desagradáveis surpresas: os menus, que na versão original eram widescreen, são animados, porém foram "esticados" e ficaram full. Mas o pior é que os próprios episódios estão em formato full frame, com uma óbvia qualidade inferior de imagem, e o áudio em inglês e português é apenas Dolby 2.0. O revoltante é que toda a série foi filmada e é exibida em widescreen, tanto que os DVDs lançados no exterior (inclusive na Austrália, que também é Região 4) trazem os episódios neste formato, e com áudio 5.1. O que parece é que a Universal fez uma nova autoração dos discos 2 a 4 só para o nosso mercado (quanta consideração), com transferências full frame dos episódios e eliminando, além do áudio multicanal, as faixas de comentários e demais extras. Fica difícil de compreender o porquê de tal atitude, já que provavelmente foi mais caro fazer assim do que simplesmente utilizar os mesmos DVDs lançados no exterior e adicionar neles legendas e dublagens em português. Seja como for, a Universal deliberadamente mutilou o lançamento, fazendo dele um verdadeiro "samba do crioulo doido" que não agrada a ninguém: quem quiser ver o piloto com a dublagem em português não poderá fazê-lo, porque ela está disponível apenas nos demais episódios (em compensação, terá uma dispensável dublagem em japonês!); quem tem um televisor 4:3 verá, na minissérie, as tradicionais tarjas pretas acima e abaixo da imagem; quem possui televisores wide será duplamente prejudicado, porque além dos óbvios cortes laterais na imagem dos episódios full, ao ajustar a imagem para preencher toda a tela terá perda ainda maior de imagem – e, obviamente, de qualidade; por fim, o áudio 2.0 dos episódios não se compara ao áudio multicanal do disco 1, e pior: há episódios em que a separação de canais é quase imperceptível. Em suma, ao lançar um box com menus e especificações de vídeo e áudio diferentes, a Universal consegue apenas desagradar a todos. Se este fosse um país onde houvesse respeito ao consumidor, a distribuidora recolheria os boxes por vício de conteúdo e restituiria os valores pagos pelos consumidores lesados. Aliás, valores caros demais: não se justifica cobrar na média R$ 150,00 por um box de apenas cinco DVDs, que ainda por cima não traz todo o conteúdo que anuncia (e o que traz, ainda por cima tem problemas). Mas o máximo que ela fez foi enviar uma nota a alguns dos sites que vendem o box, informando que o primeiro lote saiu com informações erradas na embalagem. No fim tudo vai ficar do jeito que está, e a Universal reembolsará apenas aqueles poucos que tiverem ânimo e paciência para entrar na Justiça. Os outros ficarão na esperança de que pelo menos a segunda temporada da série respeite seu formato original, e que a distribuidora passe a ter um controle de qualidade à altura da importância do seu nome.

OS EXTRAS
Como material bônus temos, no disco 1, o bom documentário de 40 minutos Battlestar Galactica: The Lowdown, com depoimentos de Moore, do elenco e membros da equipe e com várias cenas da versão original e da nova minissérie, e uma chamada dos estúdios Universal de Tóquio, com áudio – e legendas – em japonês. Mas pelo que consta na embalagem do box, esta primeira temporada de Battlestar Galactica deveria também trazer como extras: Comentários de Áudio com o diretor Michael Rymer e os produtores executivos David Eick e Ronald B. Moore, Esboços de Arte, Cenas Deletadas, Um Olhar Especial na Série Battlestar Galactica e Filmagens de Bastidores. Este material de fato integra o box lançado na Região 1, porém não se encontra nada disso aqui. Posteriormente li que a Universal, por um erro de fabricação, teria deixado de fora este material, no entanto, isso se justificaria se todos os extras estivessem reunidos num só disco que tivesse sido omitido. Mas não é o caso, por exemplo, dos comentários de áudio, que deveriam acompanhar cada episódio.


Faz tempos que alerto para esse tipo de coisa. É inadmissível. Tive que comprar o DVD de The Crow made in Portugal pelos mesmos motivos. Aqui no Brasil ele foi lançado em fullscreen e audio 2.0! Sem falar na caixinha horrorosa. Qualidade das legendas nem quero saber! Essa também é outra reclamação dos fãs de Galactica.

É piada! Os caras querem combater a 'pirataria' com esse tipo de 'qualidade'? Acho que pensam que a gente tem um 'burro' escrito na testa. Afinal, 'baratas' tem cérebro pequeno, se é que tem cérebro. Sou uma que não comprei nem vou comprar os boxes brasileiros de Galactica. Prá que? Se posso ter a qualidade que quero de graça? Os rips americanos são em widescreen e as legendas criadas pelos fãs dão de 10 a 0 nas que andam aparecendo nos dvds nacionais. Não tenho muita paciência prá baixar seriados da net. Assisto um que outro episódio de Galactica. Mas nessas condições, prefiro comprar o seriado piratão mesmo via Mercados Livres e Orkuts da vida. E tá vindo aí a segunda temporada em DVD. Adivinhem? Fullscreen!
Argh. Nos extras nem falo mais.

Pior sorte teve um amigo meu que comprou o primeiro boxe e veio sem um DVD! Felizmente ele conseguiu trocar.

Se você faz parte dos indignados (como eu!) envie um e-mail (ou vários) para a Universal.
Não achei e-mail prá contato no site deles. Talvez tenha que se cadastrar prá ter acesso.
Esses sites são maravilhosos. Os caras adoram vender mas fogem dos seus consumidores como o diabo foge da cruz.

Pelo menos tem o tel de Atendimento ao Cliente:
Atendimento ao Cliente Universal: (11) 2105-1234

0 komentar: