Rupert Murdoch ataca Barack Obama por oposição a lei antipirataria

Image634624224260405776A Casa Branca divulgou nota em que se opõe a legislações que pretendem reduzir a pirataria on-line, o que ocasionou uma resposta forte de Rupert Murdoch, dono de jornais e redes de televisão, e acirrando a batalha que acontece entre empresas de entretenimento e de tecnologia.

O congresso do EUA está analisando duas leis --o Sopa (Lei para Parar com a Pirataria On-line, em inglês) e o Ato pela Proteção do Direito Autoral-- que tornariam companhias de internet responsáveis por links e hospedagens de sites que ofereçam downloads ilegais de filmes, programas de TV e música.

Empresas de mídia argumentam que a pirataria lhes custa bilhões de dólares anualmente e diminui as vagas de emprego.

Do outro lado, empresas de tecnologia, incluindo o Facebook e o Google, dizem que essas leis censuram a internet e coíbem a inovação.

No fim de semana, a Casa Branca se posicionou ao lado das companhias de tecnologia.

"Por mais que acreditemos que a pirataria on-line proveniente de sites estrangeiros seja um problema sério que requer uma resposta legislativa séria, não vamos apoiar qualquer legislação que reduza a liberdade de expressão, aumente os riscos em cibersegurança ou enfraqueça a inovadora e dinâmica internet global", disse a Casa Branca em um post no blog oficial.

O texto fez com que Rupert Murdoch, executivo-chefe da News Corp., fizesse sua primeira declaração pública em relação ao assunto.

"Obama se aliou aos chefões do Vale do Silício que ameaçam os desenvolvedores de software com pirataria, puro roubo", disse Murdoch em sua conta no Twitter. "O líder em pirataria é o Google, que transmite vídeos gratuitamente e vende [publicidade] a partir deles. Não é de se espantar que gaste milhões em lobby."

Na verdade, a indústria do entretenimento gasta mais com lobby que as empresas do Vale do Silício, diz Alan Webber, analista do Altimeter Group.

Companhias de internet, incluindo start-ups e "hacktivistas", levaram seus protestos diretamente aos consumidores por meio de campanhas on-line.

Centenas de sites estão fazendo um chamado para que pequenas e grandes empresas de internet participem de um blecaute on-line. Assim, quando usuários tentarem acessar alguns sites populares, serão recebidos por uma tela preta e uma mensagem de "Parem com o Sopa", encorajando-os a escrever para congressistas pedindo que a lei seja vetada.

Mais de 19 mil pessoas trocaram seu avatar no Twitter para a imagem do movimento "Parem com o Sopa".

Folha

Comentários

Postagens mais visitadas